Coelho assume a Petrobrás defendendo preços dos combustíveis


(Foto: Saulo Cruz/Ministério de Minas e Energia)

O presidente eleito da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, tomou posse nesta quinta-feira (14), em cerimônia fechada à imprensa, na sede da empresa, no Rio de Janeiro. Durante o evento, transmitido online, ele defendeu a prática de preços de mercado de combustíveis, ou seja, o preço dolarizado como é hoje.

Apesar da indicação de Coelho para a presidência da Petrobrás ter sido por conta da explosão de aumentos dos combustíveis, que levaram a uma crise do governo com o então presidente da estatal Joaquim Silva e Luna - que foi demitido no fim de março -, Coelho defende a manutenção da política de preços, a chamada PPI (preços de paridade internacional), que vincula os preços dos combustíveis às cotações do dólar e do petróleo no mercado internacional.

Segundo ele, a manutenção da paridade com o mercado internacional é “necessária” para o país.

“A prática de preços de mercado é condição necessária para a criação de um ambiente de negócios competitivo para a atração de investimentos, para a atração de novos agentes econômicos no setor, para a expansão da infraestrutura do país e para a garantia do abastecimento. Tal cenário leva ao aumento da concorrência, com benefícios para o consumidor", disse Coelho, embora os resultados atuais sejam inversos em relação ao preços para o consumidor.

A política de preços atual foi implantada nas primeiras semanas do governo golpista de Michel Temer, outubro de 2016, e mantida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Coelho lembrou no entanto que, embora o Brasil seja autossuficiente e exportador de petróleo (óleo cru), continua sendo importador de vários combustíveis, entre os quais gasolina, querosene de aviação e óleo diesel. “Isso impõe aos agentes de mercado e ao governo federal grandes desafios para a garantia do abastecimento”, discursou


Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg