Com Brasil excluído, reunião do G7 tem novo convidado da AL


(Foto: Clauber Caetano/PR)

Nesta quarta-feira (1º), o chanceler alemão, Olaf Scholz, anunciou os países convidados para a próxima reunião do G7 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo), que será realizada na Alemanha.

Scholz oficializou o convite para que o presidente argentino, Alberto Fernández, participe da próxima cúpula do grupo, marcada para o fim do mês, na Baviera.

Fernández será o único líder latino-americano do evento, que pelo terceiro ano consecutivo deixa o Brasil de fora. Senegal, África do Sul, Índia e Indonésia também foram chamados.

O convite a Fernández já havia sido confirmado por porta-vozes do governo alemão há cerca de um mês. Não há um critério claro para a escolha dos convidados, que cabe ao país-sede.

Há três semanas, Fernández fez uma viagem à Europa, onde se encontrou com autoridades germânicas, francesas e britânicas. Eles discutiram, entre outros assuntos, o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul.

O convite a líderes de países em desenvolvimento é um hábito da cúpula, servindo não só de aceno político, mas também como uma forma de o G7 ouvir as ponderações dessas nações, escreve o Globo.

Em 2019, no primeiro ano da gestão de Jair Bolsonaro, em encontro sediado em Biarritz, na França, a lista de convidados dos franceses tinha Índia, África do Sul, Burkina Faso, Egito, Ruanda, Senegal e Espanha. A única nação latino-americana convidada foi o Chile.

Em 2021, a cúpula do G7 teve como país-sede o Reino Unido. Boris Johnson chamou África do Sul, Índia, Coreia do Sul e Austrália.

Em 2020, Bolsonaro chegou a afirmar que havia sido chamado pelo então líder norte-americano, Donald Trump, para participar da reunião, em Camp David. O evento não ocorreu devido à pandemia de covid-19.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg