top of page

Conselho de Segurança da ONU rejeita proposta dos EUA sobre conflito


(Foto: Sputnik/MRE russo)

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) rejeitou nesta quarta-feira (25) um projeto de resolução sobre Israel e Gaza apresentado pelos Estados Unidos.


Tanto a Rússia quanto a China, que são membros permanentes do conselho, votaram contra a proposta norte-americana.


"Projeto desequilibrado, feito com pressa e não reflete a necessidade de cessar-fogo imediato", reclamou o embaixador chinês Zhang Jun ao comentar o texto.


No placar, 10 votos a favor (Albânia, Equador, França, Gabão, Gana, Japão, Malta, Reino Unido e EUA), 3 contrários (Rússia, China e Emirados Árabes Unidos) e 2 abstenções (Brasil e Moçambique).


O voto contrário de Moscou já era esperado e ocorre após os EUA terem derrubado um texto proposto pelo Brasil, na semana passada.


Vai e vem

A resolução brasileira foi votada pelo conselho na última quarta-feira (18), quando teve o apoio de 12 dos 15 membros e a abstenção de outros 2 — Rússia e Reino Unido. Porém os Estados Unidos foram os únicos que rejeitaram o projeto, por serem um dos membros permanentes e disporem da prerrogativa de veto.


O texto previa a condenação dos atos de terrorismo praticados pelo Hamas contra Israel em 7 de outubro, o que levou este país a declarar estado de guerra, além de uma pausa humanitária para o fornecimento rápido de bens essenciais e a evacuação de toda a área em Gaza na porção norte.


O Brasil exerce, até o fim deste mês, a presidência rotativa do Conselho de Segurança. O órgão vive uma crise de credibilidade há anos, com muitos países, incluindo o Brasil, cobrando uma reforma que permita maior representatividade e reflita as dinâmicas do quadro geopolítico atual.


"O projeto da presidência brasileira reuniu amplo apoio e foi aprovado por 12 dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU […] — o que reflete o alto grau de preocupação com a situação humanitária decorrente do conflito. A aprovação no conselho requer o apoio de pelo menos nove de seus membros. Entretanto, o veto de um membro permanente do Conselho de Segurança levou à rejeição do projeto", pontuou o Ministério das Relações Exteriores na última quarta.


Após a votação, o chanceler brasileiro, Mauro Vieira, disse ter ficado desapontado com a posição americana, já que foi realizado "todo o esforço possível" para a aprovação do projeto.


"Esse texto focava basicamente na cessão das hostilidades, no aspecto humanitário, criando uma passagem humanitária, e […] também estabelecia a possibilidade de envio de ajuda humanitária. Infelizmente não foi possível aprovar essa resolução. Ficou clara uma divisão de opiniões."


Estados Unidos

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Linda Thomas-Greenfield, afirmou ter incorporado vários elementos da resolução apresentada pelo Brasil na semana passada, a mesma resolução rejeitada pelo próprio Estados Unidos. O texto também exigia uma pausa humanitária para permitir que a ajuda chegasse à população na Faixa de Gaza.


No entanto, acrescentou um trecho que assegura o direito de Israel de revidar os ataques terroristas sofridos, algo que não havia no texto apresentado pela diplomacia brasileira. Após a rejeição, ela se disse desapontada pelo resultado e afirmou que ouviu a todos na construção do texto.


O Conselho

O Conselho de Segurança da ONU tem cinco membros permanentes, a China, França, Rússia, Reino Unido e os Estados Unidos. Fazem parte do conselho rotativo a Albânia, Brasil, Equador, Gabão, Gana, Japão, Malta, Moçambique, Suíça e Emirados Árabes. Para que uma resolução seja aprovada, é preciso o apoio de nove do total de 15 membros, sendo que nenhum dos membros permanentes pode vetar o texto. Já na Assembleia Geral da ONU não existe tal mecanismo.


Com a Agência Sputnik

ความคิดเห็น


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page