Construções em área de manguezal no Rio são demolidas pela prefeitura

A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e da subprefeitura de Jacarepaguá, demoliu, na manhã desta terça-feira (19/7), construções irregulares em área pública sobre o manguezal que integra o complexo lagunar de Jacarepaguá, no Itanhangá, Zona Oeste do Rio. A ação impediu o avanço das construções, que estavam aterrando a lagoa e suprimindo a vegetação de mangue. Por sua importância biológica, o manguezal é considerado Área de Preservação Permanente, pois é berçário natural de uma série de animais, portanto, é uma área não edificante.

Divulgação / SMAC

Os responsáveis pela obra já haviam sido notificados para paralisar a ação e demolir as construções ilegais, mas nada foi feito.


"Esta é uma ação importante para restaurar um trecho das margens da Lagoa da Tijuca. Nossa região é muito rica em biodiversidade e belezas naturais. Não podemos permitir esse tipo de ocupação", pontuou o secretário de Meio Ambiente e vice-prefeito do Rio, Nilton Caldeira.


O coordenador de Defesa Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, José Maurício Padrone, destacou a importância dos manguezais e afirmou que as ações de combate às construções ilegais vão seguir ocorrendo com agilidade e afinco.


"Seguimos agindo prontamente para combater as construções ilegais em Áreas de Preservação Permanente da cidade. Os manguezais prestam valiosos serviços ambientais e não iremos tolerar nenhum tipo de irregularidade."


"Estavam aterrando a beira da lagoa, construindo um muro exatamente onde pessoas pegam suas balsas para trabalhar e, além disso, em cima do espaço que é uma praça! Além de crime ambiental, é uma falta de respeito com o próprio morador", concluiu a subprefeita de Jacarepaguá, Talita Galhardo.


A operação também contou com o apoio da Polícia Militar Ambiental e da Comlurb.


Fonte: SMAC

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif