Covid volta a crescer no Rio e Crivella culpa população


Com 534 novos casos e 25 mortes confirmadas nas últimas 24 horas na cidade e a ocupação de leitos de UTI exclusivos para pacientes de Covid-19 superando o patamar de 85%, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, em coletiva à imprensa, afirmou nesta sexta-feira (18) que a curva da pandemia não caiu como a prefeitura esperava e anunciou medidas como abertura de novas vagas nos hospitais públicos do município e endurecimento com bares e restaurantes que desrespeitam as regras de prevenção.

Em todo o estado, foi registrado um aumento na média móvel de mortes, que aponta para uma tendência de crescimento no contágio da doença. A média móvel agora é de 98 mortes e 1.335 casos por dia, com aumento de 36% na média de óbitos em comparação com as duas semanas anteriores. A última vez que os números aumentaram tinha sido em 31 de agosto.

Em razão disso, após ter fechado cerca de 100 leitos nas últimas duas semanas, agora a prefeitura acelera para reabrir os leitos. Crivella disse que pretende reabrir 95 leitos no Hospital Ronaldo Gazzola.

Ao culpar a população pelo aumento de casos de contaminação, o prefeito anunciou que não irá liberar novas atividades e que aumentou os valores das multas para até R$ 26 mil para estabelecimentos que descumprirem as regras de ouro, como distanciamento social.

Citando aglomerações nas praias e nos bares da cidade, Crivella afirmou que "a população se cansou do afastamento social" e que "muitos cariocas ainda se expõem de maneira irresponsável, sem usar máscaras".

Segundo ele, falta consciência da população para respeitar as regras. “Em dois meses, com a consciência da população, poderemos estar numa situação melhor”, ponderou.

As multas, que antes variavam de R$ 700 a R$ 2.700 passam a ser gravíssimas e com valores entre R$ 15 mil e R$ 26 mil.

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif