Crise econômica pautou agenda de Serafini no sábado


No Largo da Batalha, Josiane e Flávio conversaram com trabalhadores que ainda não puderam retornar às atividades

O desemprego e crise econômica que impacta a cidade pautaram a agenda de hoje de Flavio Serafini e Josiane Peçanha, candidatos a prefeito de Niterói e vice, respectivamente, pelo PSOL. Pela manhã eles marcaram presença no ato em solidariedade aos rodoviários, e também aos profissionais da indústria naval e de petróleo, na Praça Araribóia. O ato fechou a Semana de Luta em Defesa do Povo Brasileiro e Contra as Privatizações. À tarde, eles caminharam no Largo da Batalha conversando com trabalhadores locais que ainda aguardam a autorização para a reabertura de seus boxes fechados por causa da pandemia.

Segundo Serafini, os números são alarmantes, com um crescente fechamento de postos de trabalho. Em pouco mais de uma década, o percentual de ocupações na indústria de transformação da cidade passou de 12,5% em 2006 para 9,2% em 2014, e para 4,1% em 2018. Neste contexto, profissionais dos setores naval e de petróleo, que eram base da economia da cidade, ficaram desempregados. Recentemente, 332 rodoviários também foram demitidos. 

Flávio informou que entre as principais propostas do programa do PSOL está a criação de uma agência voltada para a articulação de projetos capazes de gerar emprego e renda no município. Também está prevista a ampliação das políticas de transferência de renda pós-pandemia para grupos sob grande vulnerabilidade social.

"Um dos eixos centrais de nosso governo será enfrentar a crise econômica e social da cidade, gerando emprego e garantindo uma política de renda básica para toda população vulnerável", afirmou Flavio Serafini.

"Percebemos muito abandono e ausência do poder público: retirada de trabalho e renda, queixas reais de destruição da Saúde, Educação e mobilidade urbana", completou Josiane Peçanha.

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif