Cristina Kirchner abre mão do salário de vice-presidente


(Foto: Presidência da Argentina)

É oficial a decisão da vice-presidente da Argentina Cristina Kirchner de renunciar aos salários do cargo para o qual foi eleita.

A resolução foi publicada nesta quarta-feira (7) no Diário Oficial da Argentina.

"De acordo com a comunicação de 5 de março de 2021, a vice-presidente pôs em conhecimento da Secretaria-Geral da Presidência a sua decisão de renunciar a receber os vencimentos correspondentes ao cargo para o qual foi eleita, a partir de 1º de abril do corrente ano", diz um trecho da publicação.

Cristina Kirchner, que foi eleita em 2019 ao lado do presidente Alberto Fernández, comunicou à Casa Rosada a sua renúncia ao salário por meio de uma carta, entregue na última segunda-feira (5).

"Desejo declarar expressamente que, de acordo com a regulamentação em vigor, eu tenho o direito legítimo de receber meus bens como vice-presidente da nação, é minha decisão renunciar", diz um trecho da cara, conforme publicada na íntegra pelo site argentino El Destape.

Como vice-presidente, Cristina Kirchner tem o direito de receber 330 mil pesos (R$ 20 mil) por mês. A renúncia acontece depois que Administração Nacional de Seguridade Social da Argentina restaurou a Kirchner o subsídio vitalício a que tem direito como ex-presidente do país, nos mandatos de 2007 a 2011 e 2011 a 2015.

O subsídio de Cristina Kirchner corresponde a 375 mil pesos (R$ 22.790). Ela também tem direito a receber a pensão de 280 mil pesos (R$ 17 mil) de seu ex-marido Néstor Kirchner, que também foi presidente da Argentina entre 2003 e 2007. Néstor Kirchner faleceu em 2010.


Fonte: Agência Sputnik

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif