top of page

Cúpula do BRICS: analistas russos e estrangeiros debatem resultados

O Centro Internacional de Imprensa Multimídia da Sputnik organizou uma mesa redonda de especialistas de Moscou, Rio de Janeiro, Nova Deli e Xangai dedicada aos resultados da 15ª Cúpula do BRICS em Joanesburgo.

Foto: Vitaliy Belousov / Sputnik

O diretor do Instituto de Economia da Academia de Ciências da Rússia e membro do Comitê Nacional de Pesquisa do BRICS, Mikhail Golovnin, e o presidente do Conselho Científico do Comitê Nacional de Pesquisas do BRICS e diretor científico do Instituto da América Latina da Academia de Ciências da Rússia, Vladimir Davydov, discutiram presencialmente o tema em Moscou, com a participação on-line na discussão do pesquisador sênior do Centro Político do BRICS, Carlos Frederico Coelho, o diretor do Instituto BRICS da Índia em Nova Deli, Binod Singh Ajatshatru, e o professor associado da Escola de Política e Relações Internacionais e vice-diretor do Centro de Estudos Russos da Universidade Pedagógica da China Oriental, Zhang Xin.


O pesquisador sênior brasileiro do Centro Político do BRICS, Carlos Frederico Coelho, destacou a óbvia força econômica e política da associação:


"Os países do BRICS têm enfatizado constantemente a ideia de que querem equilibrar a ordem internacional e o sistema econômico formado após a Segunda Guerra Mundial. É um projeto muito ambicioso, cuja implementação levará muitos, muitos anos. Exigirá ainda uma enorme vontade política. Penso que se pode concluir que esta vontade política existente e que os países do BRICS querem construir um mundo mais multipolar."


O especialista destacou que a adesão da Argentina ao grupo BRICS foi de grande importância para o Brasil:


"É claro que para o Brasil é o principal parceiro comercial da América Latina. A Argentina tem enfrentado grandes dificuldades de acesso aos mercados de capitais em dólares nos últimos 25 anos. Do ponto de vista do Brasil, a Argentina é um país muito importante. Poderíamos otimizar nossas relações monetárias e cambiais."

Mikhail Golovnin / Foto: Vitaliy Belousov / Sputnik

O diretor do Instituto de Economia da Academia de Ciências da Rússia e membro do Comitê Nacional de Pesquisas do BRICS, Mikhail Golovnin, comentando a moeda potencial do BRICS e o desenvolvimento de processos de digitalização, assinalou:


"Todos os países do BRICS estão planejando introduzir chamadas moedas digitais de bancos centrais [CBDC, na sigla em inglês]. Mas já no âmbito destas moedas digitais dos bancos centrais existem projetos de moedas digitais multilaterais, as chamadas multi-CBDC."


O especialista citou como exemplo os projetos mBridge – com a participação da China e dos Emirados Árabes Unidos – e o Dunbar – com a participação da África do Sul.


"O problema central não está na moeda, como tal, mas na organização de pagamentos e liquidações, contornando os mecanismos de monopólio controlados pelos principais países desenvolvidos", disse Golovnin.


O presidente do presídio do Conselho Científico do Comitê Nacional de Pesquisas do BRICS e diretor científico do Instituto da América Latina da Academia de Ciências da Rússia, Vladimir Davydov, caracterizou a última cúpula como um avanço:


"Os últimos anos, em geral, foram períodos de baixa atividade dos países do BRICS no cenário internacional e nas relações bilaterais entre os membros desta associação."

Vladimir Davydov / Foto: Vitaliy Belousov / Sputnik

O especialista enfatizou que a representatividade civilizacional dos países do BRICS está aumentando significativamente, e a adesão de novos países muçulmanos, que professam o islamismo sunita e xiita, permitirá, entre outras coisas, aumentar seriamente a base de recursos do Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS. Davydov exortou a não ter medo da crescente diversidade da associação:


"Precisamos criar tal situação, e espero que ela seja criada no final, quando o consenso não se torne um obstáculo à resolução de problemas estratégicos."


O diretor do Instituto BRICS da Índia em Nova Deli, Binod Singh Ajatshatru, comentando o aspecto econômico da cooperação no âmbito do BRICS, disse:


"Chegou a hora de fazer pagamentos com base em nossas próprias moedas nacionais, embora em pequenas quantias, mas mesmo assim. Devemos criar um sistema integrado de pagamentos que funcionaria no âmbito do BRICS, unindo China, Índia, Rússia, Brasil e África do Sul."


O especialista opina que os membros do grupo BRICS devem estar preparados para eventuais atos de sabotagem das iniciativas do grupo econômico por parte de estruturas ocidentais.


O professor associado da Escola de Política e Relações Internacionais e vice-diretor do Centro de Estudos Russos da Universidade Pedagógica do Leste da China, Zhang Xin, enfatizou que o BRICS está passando por um período muito importante de desenvolvimento, tornando-se uma organização de relevo internacional e porta-voz do Sul Global:


"A essência do BRICS é que o potencial de unificação e seus fundamentos são muito diferentes de outras organizações internacionais. O BRICS engloba países que não estão unidos por um contexto cultural ou religioso comum. Existem tanto as vantagens como desvantagens nisso, mas é uma organização muito flexível e heterogênea, e tem sua própria agenda diversificada", afirmou.


Fonte: Sputnik Brasil

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page