top of page

Dia das Crianças traz alerta sobre saúde dos pequenos


O feriado nacional de Nossa Senhora Aparecida, na quarta-feira (12), é uma das datas lembradas nesta segunda semana de outubro. Além da efeméride religiosa, os próximos dias também trazem datas que ressaltam a importância dos cuidados com a saúde.


A padroeira do Brasil divide a data com o Dia das Crianças - o Brasil é o único país que celebra as crianças neste dia. Desde 1925, muitos países celebram em 1º de junho o Dia Internacional da Criança. Já a Organização das Nações Unidas (ONU) definiu, em 1959, o 20 de novembro como o Dia Mundial da Criança, com a adoção da Declaração Universal dos Direitos da Criança.


Nas últimas semanas, o país tem se mobilizado em campanhas de vacinação infantil contra o vírus da poliomielite, doença que pode causar a paralisia nos membros inferiores. A paralisia infantil não tem casos registrados no Brasil desde 1989, mas, com a menor adesão à vacina, os riscos de reaparecimento têm aumentado.


Reportagem da Agência Brasil mostra que a vacinação de crianças tem a maior queda contínua nos últimos 30 anos. A campanha de vacinação contra a poliomielite não conseguiu atingir a meta de 95% do público-alvo, e foi prorrogada em vários estados. No Brasil, é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.


Cuidados com a saúde

Ainda sobre saúde, na terça-feira (11) é comemorado o Dia Nacional da Prevenção da Obesidade. A data foi criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientizar sobre os riscos à saúde e estimular a adoção de hábitos saudáveis.


A obesidade é, além de um problema de saúde pública, uma das diversas faces da pobreza. Isso porque a doença está relacionada à falta de nutrientes, assim como a fome, junto ao excesso de gordura.


A segunda-feira (10) marca o Dia Mundial da Saúde Mental. De acordo com a OMS, “a saúde mental é um estado completo de bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de saúde, de enfermidades”.


Situações decorrentes do isolamento social e da pandemia de covid-19 contribuíram para o adoecimento de diversas pessoas. Entre as parcelas mais afetadas está a população feminina. Fatores como excesso de trabalho, jornada tripla e vulnerabilidade social foram algumas das causas que afetam a saúde mental de mulheres.


Fonte: Agência Brasil

300x250px.gif
728x90px.gif