Eleições: Fachin pede que comunidade internacional fique 'alerta'


Ministro Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (Foto: Carlos Moura/STF)

Discursando para embaixadores e chefes de missões diplomáticas nesta terça-feira (31), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, alfinetou Jair Bolsonaro (PL) e afirmou que a integridade das eleições brasileiras tem de ser "demonstrada não por frases desconexas, mas por relatórios fundamentados".

Em seu discurso de abertura, o ministro convidou a comunidade internacional a estar "alerta contra acusações levianas", citando o "vírus da desinformação sobre o sistema eleitoral brasileiro". Embora não tenha citado diretamente o nome do presidente da República, ficou clara as referências sobre os ataques desferidos por Bolsonaro contra o sistema eleitoral e a ameaça de não aceitar o resultado das urnas eletrônicas.

Segundo Fachin, esse "vírus" tem efeitos sobre a saúde da vida democrática nacional e, "de maneira infundada e perversa, procura incessantemente denunciar riscos inexistentes e falhas imaginárias".

Bolsonaro é o principal propagador de ataques contra a Justiça Eleitoral, tendo dito no último dia 19 que a verdadeira democracia acontece "com votos contados" - colocando em dúvida, mais uma vez, a segurança e a eficiência do sistema de urnas eletrônicas utilizado no Brasil há 20 anos, incluindo o processo eleitoral de 2018 que o elegeu presidente.

Fachin ainda disse aos diplomatas que "é fundamental transmitir aos governos estrangeiros as informações corretas e completas sobre o processo eleitoral que se avizinha", razão pela qual o evento foi promovido.

"Este Tribunal Superior Eleitoral, e toda a Justiça Eleitoral, tem de trabalhar diuturnamente para desmentir boatos sobre o funcionamento do sistema eletrônico de votação e preservar a confiança que neele deposita a grande maioria da população. […] A integridade e fidedignidade das eleições brasileiras tem de ser demonstrada não por frases desconexas ou declarações vazias, mas por relatórios fundamentados de especialistas na matéria", afirmou.

No dia 17 de maio, o ministro anunciou que pretende trazer ao Brasil mais de 100 observadores de instituições internacionais para acompanhar as eleições de outubro.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg