Em reunião virtual, Serafini defende educação inclusiva

Candidato participou também nesta quinta-feira de reunião sobre economia solidária com os movimentos que defendem novas relações de mercado

Entre uma reunião virtual e outra, Serafini caminhou na Alameda São Boaventura com militantes em meio à chuva

O candidato a prefeito pelo PSOL e sua vice, Flavio Serafini e Josiane Peçanha, se reuniram virtualmente nesta quinta-feira com movimentos de economia solidária e depois com professores e responsáveis por crianças com deficiência para debater as mudanças na política nacional de educação inclusiva.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro publicou o decreto presidencial 10.502, que segrega pessoas com algum tipo de deficiência, altas habilidades e transtornos do espectro autista em classes e escolas em separado, fora do convívio das demais crianças. A proposta ainda prevê o desvio de dinheiro público para instituições privadas terceirizando a responsabilidade sobre a educação que é do poder público.

Flávio lembrou que o programa de governo do PSOL para Niterói estabelece "a inclusão como direito à escola regular e com acesso e condições de permanência, para possibilitar o acesso aos bens culturais, pedagógicos e sociais e por um modelo de educação onde a aprendizagem seja comum a todos, com o objetivo de promover a autonomia intelectual e pessoal". 

"A vida das pessoas com deficiência é em sociedade e é importante que tenhamos políticas que estimulem seu desenvolvimento em conjunto com a sociedade. Precisamos ter centros de referência que trabalhem em conjunto com a rede escolar e não segregar essas crianças e alijá-las do convívio em sociedade", concluiu Serafini.

Entre uma reunião e outra, Flavio e Josiane foram conversar com a população da Zona Norte, em uma caminhada na Alameda São Boaventura.

O vereador e líder da bancada do PSOL na Câmara Municipal, Paulo Eduardo Gomes, que participou da reunião sobre economia solidária, destacou as conquistas obtidas pelo seu mandato para o setor:

"Nosso mandato sempre foi parceiro da Economia Solidária em Niterói. Na Lei 3473/2020, que criou na cidade a Política Municipal de Economia Solidária, nós apresentamos 10 emendas construídas em conjunto com o movimento de trabalhadores. Aprovamos, por exemplo, a garantia de que todas as Leis Orçamentárias da cidade precisarão destinar verba para incentivar anualmente a ECOSOL. Durante a pandemia fomos o primeiro mandato a apresentar a proposta de renda básica para estes trabalhadores. A reunião de hoje serviu para reafirmar o compromisso do PSOL com a Economia Solidária. Um mandato do PSOL irá valorizar ainda mais essa política de desenvolvimento solidário e social, de forma justa e sustentável", afirmou Paulo Eduardo.

300x250px.gif
728x90px.gif