top of page

Empresa investigada na CPI ajudou filho 04 de Bolsonaro


(Reprodução)

Jair Renan Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro, abriu a empresa Bolsonaro Jr Eventos e Mídia com a ajuda do lobista Marconny Albernaz de Faria, investigado pela CPI da Covid como um dos intermediários da Precisa Medicamentos, empresa envolvida em suposto esquema de corrupção em contratos de aquisição de vacinas no Ministério da Saúde.

As informações são da Folha de S.Paulo, que obteve mensagens de WhatsApp trocadas entre o lobista e Jair Renan após a quebra de sigilo de Marconny Faria a pedido do Ministério Público Federal do Pará e de análise de documentos da Receita Federal.

A abertura da empresa começou a ser tratada entre Jair Renan e Marconny Faria em 17 de setembro de 2020. A empresa, criada com capital de R$ 105 mil, tem Jair Renan como único sócio. É especializada em organização, promoção e criação de conteúdo publicitário para feiras, congressos, exposições, festas e eventos esportivos.

À época, o lobista escreveu ao filho de Bolsonaro: "bora resolver as questões dos seus contratos!! Se preocupe com isso. Como te falei, eu e o William estamos a sua disposição para ajudar te ajudar".

"Show irmão. Eu vou organizar com Allan a gente se encontrar e organizar tudo", respondeu Jair Renan.

Marconny afirmou: “temos que marcar uma reunião para me dizer o que está precisando. bora marcar na segunda”. O 04, como é chamado Jair Renan, concorda: "talkei".

Na mesma data, Marconny entra em contato com William de Araújo Falcomer dos Santos, advogado que o representa na CPI da Covid: "posso marcar uma reunião com o Renan Bolsonaro na segunda às 16h?”. William Falcomer diz: "pode, marcado".

O telefone registrado na Receita Federal como sendo da Bolsonaro Jr Eventos é o mesmo do escritório de William Falcomer.

Advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef nega que Jair Renan tenha qualquer relação com o advogado William. De acordo com Wassef, William e Jair Renan se conheceram em um evento em 2019 por intermédio de uma amiga em comum. "Renan é uma pessoa pública e volta e meia está em eventos, em festas e tem muitos conhecidos, é comum que ele conheça várias pessoas. Conheceu esse advogado no começo de 2019 e não tem e nunca teve qualquer tipo de relação com ele. Não o contratou, nunca tem relação comercial, jamais fizeram qualquer negócio juntos, nada. Uma entre as centenas de pessoas que ele conhece, que viu poucas vezes de forma esporádica em eventos públicos e sociais".

Reuniões na Secretaria de Esporte e Lazer do DF

Em decisão do dia 13 de agosto - citado pelo portal Metrópoles -, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) determinou que a Secretaria de Esporte e Lazer do Distrito Federal preste informações sobre as reuniões mantidas pela pasta com o filho 04 do presidente da República.

O processo foi movido pelo escritório Hernandez Lerner & Miranda, contestando a decisão da secretaria de se recusar a informar os registros de entrada e saída de Jair Renan em suas dependências desde 2019, bem como quem participou das reuniões e o que foi tratado nos encontros. A secretaria negou o pedido, alegando que a solicitação está em “desconformidade com os interesses públicos do Estado” e trata-se de informações pessoais.

De acordo com o escritório, as informações deveriam ser divulgadas ao público porque o filho do presidente poderia atuar para favorecer interesses particulares de sua empresa, a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia.

A sede da empresa, no estádio Mané Garrincha, teria sido obtido junto à administração do Distrito Federal “a preço camarada”.

De acordo com a decisão, a secretaria deverá apenas informar se Jair Renan participou de reuniões com autoridades públicas, os assuntos deliberados nas reuniões, se houve registro das reuniões em atas e se foi celebrado algum pacto ou contrato com ele ou com pessoas jurídicas da qual seja sócio ou administrador.

O juiz afirma que “o fato de a reunião ter como pauta o esporte e o lazer evidencia o interesse público dos dados”, e escreve ainda: “Ressalto que a administração é pautada pela supremacia do interesse público sobre o particular”.

Morando em mansão

Jair Renan Bolsonaro e sua mãe, Ana Cristina Siqueira Valle, estão morando em uma casa avaliada em R$ 3,2 milhões no Lago Sul, uma das áreas mais nobres de Brasília. Segundo reportagem do Uol, eles alugam o local desde junho deste ano.

O imóvel, no entanto, foi comprado por R$ 2,9 milhões em 31 de maio, alguns dias antes da mudança da família de Bolsonaro. O proprietário é Geraldo Antônio Machado, corretor que mora em uma casa modesta em Vicente Pires, a cerca de 30 km da propriedade.

“Eu ia mudar para lá [casa do Lago Sul], mas infelizmente a pessoa declinou do meu negócio aqui [casa onde vive]. Eu tive que, infelizmente, alugar. É um sonho morar no Lago [Sul], né?”, afirmou à reportagem do Uol. Ele ainda disse que possui outros bens na cidade, mas todos sem escritura.

Segundo a escritura, a aquisição do imóvel por Geraldo foi feita com recursos próprios: uma entrada, de R$ 580 mil, e R$ 2,32 milhões financiados no Banco de Brasília (BRB).

Outras duas casas na mesma quadra e com tamanho similar à da família estão sendo alugadas por cerca de R$ 15 mil, mas nem Ana Cristina nem Machado quiseram revelar o valor do aluguel.

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page