Espanha não toma conhecimento da zebra: 7 a 0 na Costa Rica


(Foto: Divulgação/Fifa)

A Espanha passeou em sua estreia na Copa do Catar e goleou a Costa Rica por 7 a 0, na tarde desta quinta-feira (23) no Estádio Al Thumama, pela primeira rodada do Grupo E da competição. A atuação segura e convincente dos espanhóis deixa a Alemanha, seu próximo adversário, em situação de desespero, já que uma nova derrota garante precocemente a volta dos Bávaros para casa logo na primeira fase.


Foi um duelo desigual. A juventude espanhola contra os veteranos costarriquenhos, com vários jogadores que participaram da Copa de 2014 (Brasil). Se a capacidade de renovação da Espanha impressiona, o ritmo que os comandados de Luís Enrique colocaram em campo também não passou despercebido. Aliás, com apenas meia hora de partida, o placar já indicava 3 a 0.


Aos 8 minutos, Asensio teve a primeira chance clara de gol, arriscando da meia-lua da grande área, com a bola raspando a trave de Keylor Navas, goleiro remanescente de 2014. Aos 10, não houve jeito. Fazendo a bola rolar de pé em pé, Gavi tocou para Dani Olmo, que, diante de Navas, fez 1 a 0. A posse de bola da Espanha já chegava a 79% naquele momento de domínio absoluto.


Aos 20 minutos, Jordi Alba cruzou rasteiro para a área, Marco Asensio pegou de primeira, Navas saltou, tocou na bola, mas não o suficiente para evitar o segundo gol espanhol. Os costarriquenhos estavam nocauteados.

O ritmo alucinante ainda gerou um pênalti para a Espanha aos 29 minutos, quando Jordi Alba foi derrubado na área. Ferran Torres foi para a cobrança, deslocou Navas, bola para um lado, goleiro para o outro: 3 a 0.


Tamanha vantagem fez a garotada espanhola utilizar o famoso jogo de toques curtos, o tiki-taka, que celebrizou a seleção campeã mundial em 2010. Assim, além de colocar a Costa Rica na roda, aumentava a posse de bola e fazia o tempo passar mais rápido. Em 45 minutos, a Espanha fazia o mais belo jogo do Mundial, enquanto o time costarriquenho, em momento algum, achou uma forma de aprimorar a marcação e tomar a bola.

Na etapa final, Asensio continuou mandando no ataque. Aos 2 minutos, apareceu livre na intermediária e chutou forte, mas a bola subiu demais. Aos 8 minutos, Ferran Torres recebeu na área, enfrentou o zagueiro, esperou que Navas saísse aos seus pés e chutou rasteiro por baixo do corpo do goleirão. 4 a 0. Virou goleada!


Com a imensa vantagem, o técnico Luís Enrique começou a modificar o time e colocou os reservas, jogadores ainda mais jovens que os titulares. O ritmo do jogo não diminuiu e a qualidade de toque de bola continuou a mesma. Aos 29 minutos, enfim, Morata levantou a bola para a entrada da grande área, o garoto Gavi, de 18 anos, pegou de primeira, a bola pegou no pé da trave e entrou. 5 a 0! O astro do Barcelona mostrou durante a partida porque seu passe vale mais de R$ 5 bilhões.


Aos 44 minutos do 2º tempo, Williams fez o cruzamento para a área, Keylor Navas deu rebote para frente, como não se pode fazer, e Soler apareceu para fazer 6 a 0!


Para quem queria ainda mais. Álvaro Morata triangulou e apareceu na frente do gol, atirou firme e deu números finais ao massacre de Doha. 7 a 0. Os espanhóis faziam sua maior goleada em Copas do Mundo, superando os 6 a 1 sobre a Bulgária, em 1998.


Na próxima rodada do Grupo E, no domingo (27), enquanto a Espanha joga com os desesperados alemães, a Costa Rica tenta se recuperar diante do surpreendente Japão.

Courtois pega pênalti e Bélica vence Canadá

Quarta colocada no Mundial da Rússia, a Bélgica sofreu um bom bocado, no Estádio Ahmad Bin Ali, para derrotar o Canadá por 1 a 0, pelo Grupo F, na última partida da rodada desta quarta-feira (23).


O gol, marcado pelo atacante Batshuayi, aos 43 minutos, foi a única chance no primeiro tempo da seleção que eliminou o Brasil na Copa de 2018.


O jogo foi quase todo dominado pelo Canadá, principalmente na primeira etapa, quando conseguiu criar pelo menos quatro boas chances para empatar. Mas, além do paredão Courtois, faltou pontaria dos atacantes. Aos 10 minutos de jogo, o juiz Janny Sikazwe, auxiliado pelo VAR (árbitro de vídeo), marcou pênalti após Carrasco desviar uma finalização canadense com a mão dentro da área. Porém, a cobrança de Alphonso Davies parou nas mãos do goleiro Courtois, escolhido este ano pela revista France Football como o melhor jogador do mundo na posição.


Na etapa final, o ritmo dos canadenses diminuiu devido ao cansaço, e, apesar de manter a iniciativa de ataque, não conseguiu furar o bloqueio belga até o apito final.


Belgas e canadenses estão na mesma chave de Croácia e Marrocos, que empataram em 0 a 0 pela manhã.


Com a Agência Brasil

300x250px.gif
728x90px.gif