top of page

Ex-ajudantes de Bolsonaro movimentaram quase R$ 12 milhões em 1 ano e meio



Ao mesmo tempo em que veio a público encontros secretos do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) com militares – que foram descobertos pela Polícia Federal após seus ajudantes de ordens deixarem 17.354 e-mails apagados na lixeira –, relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontam "movimentações financeiras atípicas" de seus ex-ajudantes com valores que chegam quase a R$ 12 milhões em um ano e meio.


O Coaf analisou transações de seis assessores do ex-presidente no período entre janeiro de 2022 e maio de 2023. Os relatórios foram entregues à CPMI dos Atos Golpistas, de acordo com o portal G1.


Ao todo, os ex-ajudantes de ordens movimentaram R$ 11.877.775 no período. O tenente-coronel Mauro Cid, "braço-direito" de Bolsonaro que está respondendo a diversas investigações, tem seu nome associado a mais de metade do valor: R$ 6,7 milhões.


Segundo o Coaf, essas movimentações foram classificadas como "atípicas" porque os montantes são incompatíveis com o patrimônio desses ajudantes presidenciais.


E-mails descobertos apontam também que Bolsonaro, teve pelo menos três reuniões secretas com comandantes militares nos dias seguintes à derrota nas urnas para Luiz Inácio Lula da Silva (PT).


Os encontros, segundo o portal Metrópoles, aconteceram no Palácio da Alvorada e foram omitidos das agendas de Bolsonaro e dos chefes das três Forças Armadas.


As reuniões constam em registros eletrônicos feitos pelo ex-ajudante de ordens, Jonathas Diniz Vieira Coelho. Os e-mails foram enviados à CPI do 8 de Janeiro e obtidos pela mídia.


Os encontros teriam acontecido nos dias 1º, 2 e 14 de novembro e contaram com os comandantes das forças, ou seja, general Marco Antônio Freire Gomes, do Exército; almirante Garnier Santos, da Marinha; e tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior, da Aeronáutica.


Além dos militares, estavam presentes em diferentes dias o general Walter Braga Netto, vice na chapa de Bolsonaro; três ministros: general Paulo Sérgio Nogueira, da Defesa; Anderson Torres, da Justiça; e Bruno Bianco, da Advocacia-Geral da União (AGU). O almirante Flávio Rocha, então secretário especial da Presidência, e o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) também estavam presentes.

Comentarios


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page