Exonerado por Fux diz ter dado ciência sobre vacina


Ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (Foto: STF)

O médico e ex-secretário de serviços integrados de saúde do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Polo Dias Freitas, que foi exonerado na segunda-feira (28) pelo presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, após pedir à Fiocruz que fossem reservadas sete mil doses da vacina contra a Covid-19 para a Corte e seus servidores, afirmou que “nunca realizou ato administrativo sem a ciência” de seus superiores. Marco Polo é medico concursado do STF e atua há 33 anos no serviço público.

Fux havia dito publicamente que, sem seu conhecimento, Marco Polo teria feito a solicitação à Fiocruz. O médico, porém, desmentiu o presidente do Supremo em entrevista à Folha de S. Paulo, e frisou que respeita “rigorosamente” a hierarquia administrativa no tribunal.

“Nesses 11 anos no STF, nunca realizei nenhum ato administrativo sem a ciência e a anuência dos meus superiores hierárquicos. Continuarei, como médico, de corpo e alma, na luta diária pela saúde e bem-estar das pessoas. Em relação às notícias veiculadas na imprensa que envolvem meu nome, informo: tenho 33 anos de serviços públicos prestados à comunidade. Sou médico concursado do STF desde setembro de 2009. Fui secretário da Secretaria de Serviços Integrados de Saúde do STF nas gestões do Excelentíssimo Senhor Ministro Ricardo Lewandowski, da Excelentíssima Senhora Ministra Cármen Lúcia e do Excelentíssimo Senhor Ministro Dias Tofolli, com reconhecimento pelos serviços prestados”, afirmou.

300X350px_Negra.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
728X90px (2).gif