Faltou Bolsonaro falar do jacaré e do isolamento social


(Reprodução)

Entre panelaços ouvidos em todos os cantos do Brasil e com uma profusão de vídeos publicados nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro usou a rede nacional de rádio e TV nesta terça-feira (23) para defender as ações do governo e para anunciar a aquisição de vacinas. No discurso de cerca de três minutos, com sua fala trôpega habitual, o presidente distorceu suas próprias ações e tentou passar para o público a ideia de que ele nunca foi contra o combate à pandemia e o uso emergencial de vacina. Faltou combinar com os russos, porque ao mesmo tempo que o presidente falava em "tranquilizar o povo brasileiro e afirmar que as vacinas estão garantidas", internautas inundavam as redes sociais para mostrar que suas ações desmentiam o seu discurso. Em nenhum momento se ouviu do presidente uma palavra sobre isolamento social, principal medida recomendada pelas autoridades sanitárias e defendida por governadores, prefeitos e Legislativos para mitigar os efeitos da Covid-19 e salvar vidas humanas. Dessa vez, o presidente da república não lembrou também de falar que o povo que tomar vacina da Pfizer pode "virar jacaré".

"Quero tranquilizar o povo brasileiro e afirmar que as vacinas estão garantidas. Ao final do ano, teremos alcançado mais de 500 milhões de doses para vacinar toda a população. Muito em breve, retomaremos nossa vida normal", afirmou.

Nem parecia ser a mesma pessoa que diversas vezes minimizou a gravidade da pandemia e chegou a classificar a doença causada pelo novo coronavírus de "gripezinha" e desacreditou a vacinação como forma de combate ao vírus, chegando, inclusive, a afirmar que não tomaria o imunizante.

No discurso do momento, no entanto, o presidente afirmou que, desde o início da pandemia, o governo tem tomado ações contra a disseminação do novo coronavírus.

"Desde o começo, eu disse que tínhamos dois grandes desafios: o vírus e o desemprego. E, em nenhum momento, o governo deixou de tomar medidas importantes tanto para combater o coronavírus como para combater o caos na economia, que poderia gerar desemprego e fome", disse.

Enquanto falava, cidades de todo o país registravam panelaços e gritos de "Fora Bolsonaro!" e "Bolsonaro genocida!" em protesto contra a falta de ação do governo federal no combate à pandemia. Nesta mesma noite de terça-feira, o país registrou um novo recorde de mortes, superando pela primeira vez a marca de 3.000 óbitos diários causados pela Covid-19.

Confira como foram as manifestações em diversas cidades do país:





 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

1/3
300x250px - para veicular a partir do di
Leia também: