top of page

FEO discute papel da UEE e do BRICS em novo mundo multipolar

Na terça-feira, 12 de setembro, à margem do Fórum Econômico Oriental, foi realizada uma sessão intitulada "UEE e BRICS: papel na formação de um novo mundo multipolar". Os participantes discutiram como a combinação dos potenciais das duas organizações pode contribuir para o desenvolvimento de uma infraestrutura independente do mercado monetário e financeiro. Ksenia Komissarova, editora-chefe da TV BRICS, moderou a sessão.

TV BRICS

"A União Econômica Eurasiática é a maior associação do mundo e não apenas em termos de território, mas também em termos da taxa de crescimento da produção industrial e agrícola. Quanto ao BRICS, ele também tem algo de que se orgulhar - pelo menos a participação dos "cinco" países no PIB global. Mesmo antes da decisão de expandir, ela era de 26% e, em termos de paridade de poder de compra, era de 31,5%, em comparação com os 30% do G7", afirmou Ksenia.


A editora-chefe da rede de mídia acrescentou que a UEE e BRICS têm perspectivas de fortalecer a cooperação nas dimensões eurasiática e global. O comércio mútuo entre os países dessas duas associações cresceu mais de 40% somente no ano passado.


Mikhail Myasnikovich, Presidente do conselho da Comissão Econômica da Eurásia, citou indicadores de volumes de comércio mútuo entre o BRICS e UEE.


"De acordo com os resultados do primeiro semestre deste ano, o volume de negócios totalizou 150 bilhões de dólares americanos. As exportações dos países da UEE cresceram 15% em relação ao nível do ano passado, portanto, precisamos de sistemas de liquidação modernas e confiáveis".


Alexey Overchuk, Vice-Primeiro Ministro da Federação Russa, por sua vez, falou sobre o papel da associação BRICS, que está se transformando em uma organização com alcance global. Ele ressaltou que, na Cúpula dos cinco países, em Joanesburgo, os chefes de estado propuseram o fortalecimento da dimensão econômica, a criação de um fundo especial destinado a impulsionar a cooperação comercial e financeira, a promoção de reformas da OMC e a cooperação no campo espacial.


"O BRICS está se transformando em uma plataforma que incorpora a multipolaridade global e tem como objetivo resolver os problemas causados pelas tendências globais atuais. O BRICS leva em conta os interesses dos países em desenvolvimento", pontuou Overchuk.


Sammy Kotwani, Presidente da Indian Business Alliance (IBA), observou que os estados das duas organizações [UEE e BRICS] desempenham um papel significativo nos assuntos internacionais.


"Os países dessas uniões [UEE e BRICS] estão ganhando cada vez mais peso político, estamos caminhando para formar a arquitetura de um novo mundo multipolar. Esses blocos fornecem assistência aos países em desenvolvimento. O BRICS e UEE se tornaram uma potência econômica e geopolítica. Não se deve subestimar as perspectivas e o potencial dessas associações, que estão formando um novo mundo multipolar baseado nos princípios de igualdade, inclusão e respeito mútuo", defendeu Kotwani.


He Zhenwei, Presidente da Associação Chinesa para o Desenvolvimento de Empresas Estrangeiras, citou a expansão do BRICS e a cooperação global.


"A China e muitos outros países há muito tempo falam sobre um mundo multipolar, portanto, a cooperação e a integração dessas duas organizações são necessárias, pois proporcionam maior segurança e igualdade na comunidade global. Atualmente, há cinco países no BRICS e, em um futuro próximo, haverá 11. No total, mais de 20 países, incluindo os países em desenvolvimento, solicitaram a adesão. A cooperação entre a UEE e o BRICS é muito útil para os países em desenvolvimento em termos de fortalecimento de suas economias".


Ele também expressou sua opinião sobre como essa integração entre as duas organizações deve ser implementada.


"A unidade da moeda torna possível, em termos econômicos, simplificar as liquidações mútuas. No total, haverá mais de 15 países nessas associações. Se pudermos usar uma moeda única, isso simplificará todas as transações financeiras entre os estados. Outra recomendação é estimular a atividade de investimento, em primeiro lugar, estamos falando de investimentos setoriais - na agricultura, indústria, serviços", disse He Zhenwei.


Dmitry Volvach, vice-ministro de Desenvolvimento Econômico da Rússia, explicou como a adesão da República da Bielorrússia e da República do Cazaquistão ao BRICS poderá afetar as relações econômicas dentro da UEE.


"A expansão do BRICS é um processo esperado e natural. É o caminho para uma ordem mundial justa. Não apenas esses países, cuja decisão já foi tomada, mas também nossos parceiros mais próximos da UEE - Bielorrússia e Cazaquistão - querem se juntar a esse caminho. Apoiaremos essas iniciativas de todas as formas possíveis, especialmente porque o volume de negócios da Federação Russa com os países do grupo dos "cinco" no ano passado chegou a 15,5 trilhões de rublos e aumentou em mais de 40%, assim como o volume de negócios com os países da UEE - mais de 18 trilhões de rublos, o que representa um aumento de 41%", disse Volvach.


"Essas associações econômicas regionais gravitam em torno umas das outras, e aqui os aspectos institucionais e de integração são muito importantes. Quanto mais os estados-membros da UEE participarem do BRICS, melhor e mais eficazmente usaremos nossas oportunidades inter-regionais de integração para aumentar constantemente os investimentos mútuos, criar novos projetos de integração e desenvolver os já existentes", afirmou o vice-ministro.


O FEO-2023 está sendo realizado de 10 a 13 de setembro em Vladivostok.


Fonte: TV BRICS


Comentarios


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page