top of page
banners dengue balde niteroi 728x90 29 2 24.jpg

Festa Literária das Periferias invade a Maré nesta segunda


(Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

Começa amanhã (5) a segunda etapa da 12ª edição da Festa Literária das Periferias (Flup), batizada de Maré de Periferias. O evento reúne até o dia 11 e recebe escritores como Conceição Evaristo, Jarid Arraes, Anielle Franco e Marcelino Freire na Casa de Cultura da Maré, no complexo de favelas da Zona Norte da cidade.


A primeira etapa ocorreu em fevereiro, com debates no Museu de Arte do Rio (MAR) e no Museu da História e Cultura Afro-Brasileira (Muhcab), localizado na Gamboa, ambos na região da Pequena África. Com homenagem a Lima Barreto, Pixinguinha, Chiquinha Gonzaga e Josephine Baker, o evento celebrou os 100 anos de modernismo negro.


Agora, a Flup volta para a premissa de promover a cultura realizada nas periferias e sobre as periferias, território tradicionalmente excluído dos calendários de eventos culturais. A abertura será ao meio dia, com uma revoada de balões na Biblioteca Lima Barreto. Às 18h30 será feita uma saudação aos orixás, seguida pelas boas-vindas com Eliana Sousa, da Redes da Maré, e Dani Salles, da Flup.


Às 19h ocorre o lançamento do livro Pai Santana - o Orixá do Futebol, do produtor cultural Ecio Salles, um dos criadores da Flup, que morreu em 2019. O livro conta a trajetória de Pai Santana, massagista e personalidade icônica dos times cariocas. O diretor da Rebento Editora, Sérgio Pugliese, explicou que a obra foi concluída após a morte de Salles, como forma de honrar uma de suas paixões.


“Ele tinha me falado do livro, que já tinha várias entrevistas feitas. Mas tem essas coisas do destino e o Ecio partiu inesperadamente. Depois eu conversei com a Dani, a mulher dele, e ela me passou os arquivos achando que o livro tivesse pronto e o livro estava pela metade. Mas como o Ecio era um realizador, a gente falou ‘esse livro vai sair de qualquer jeito!’ E aí eu pedi ajuda aos universitários, né? E está aqui, finalizado, com os pesquisadores, e estamos comemorando mais um projeto dele realizado”.


As mesas de debate receberam o nome de Quilombo do Lima, em referência a Lima Barreto, autor homenageado nesta edição no centenário de sua morte. Também há programação musical e a exposição Escutatórias Afetivas por um Museu da Sororidade.


Batalha de poesia

Outro destaque da programação da Flup são as competições do Slam BR, o maior evento nacional de poesia falada, que tradicionalmente é feito em São Paulo. Na disputa, se apresentam artistas de várias partes do país, que criam rimas sobre temas diversas. A abertura do Slam Br será na terça-feira (6), às 19h, seguida das primeiras chaves classificatórias. A final será na sexta-feira (9), às 20h.


A Flup também vai sediar no sábado (10) a final do Slam Coalkan, primeira batalha de poesia indígena mundial da história, que reúne poetas das três Américas, celebrando as vozes dos povos originários. Além da final do Slam Colegial da Maré, na quarta-feira (7) às 15h, e o Slam Abya Yala, apelidada pela organização de “Copa América” de poetry slam.


Abya Yala é a denominação histórica do continente americano na língua do povo Kuna, originário da Serra Nevada, no norte da Colômbia, que vive atualmente na costa caribenha do Panamá, após conseguirem em 1930 a autonomia da comarca de Kuna Yala. A expressão significa terra madura, terra viva ou terra em florescimento e tem sido utilizada, desde 2004, como sinônimo de América para construir um sentimento continental de unidade e pertencimento, bem como a descolonização do pensamento.


Escuta

Como primeira atividade desta etapa da Flup, foi realizado hoje (4) no Museu de Arte do Rio (MAR), o Dia da Escuta. De acordo com a idealizadora do evento, a feminista, jornalista, ambientalista e vice-prefeita de Paris Audrey Pulvar, o objetivo é ser um espaço para uma escuta sem julgamentos e com acolhimento das mulheres vítimas de violência.


“Todos os dias, desde sempre, vítimas ou sobreviventes de violência sexual e de gênero se manifestam. Seja para um pai, um ente querido, um colega, um professor, um padre, um policial, um jornalista... Seja com palavras, desenhos, assumindo comportamentos arriscados, promovendo automutilação, caindo em crises de depressão ou atitudes enganosas de supercompensação. Todos os dias, as vítimas se manifestam, porém, não são ouvidas. Por isso, o evento vai para além da fala. É preciso liberar a escuta”, disse Audrey.


As mesas de debate contaram com a participação da figurinista Su Tonani, que denunciou o assédio sexual sofrido na Rede Globo, a assistente social Rafa Albergaria, a primeira deputada transexual da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e roteirista Dani Balbi e da diretora Paula Sacchetta, com exibição do seu documentário Precisamos falar de assédio.


A programação completa está neste site . A Flup terá um espaço com telão para a transmissão ao vivo dos próximos jogos do Brasil na Copa do Mundo, nesta segunda-feira (5) e, se a seleção brasileira ganhar da Coréia do Sul na partida das oitavas de final, também na sexta-feira (9).


Fonte: Agência Brasil

Comentários


Chamada Sons da Rússia5.jpg
banners dengue balde niteroi 300x250 29 2 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page