top of page

Festival de Jornalismo 3i volta de forma presencial no Rio


(Divulgação)

O Rio de Janeiro recebe, em maio, o Festival 3i, no formato presencial e em versão mais enxuta, em que o foco são os temas do empreendedorismo, da sustentabilidade do jornalismo, da inovação. “A gente quer trazer cases de sucesso de produtos jornalísticos que estão sendo feitos no país e da relação com a tecnologia. Por isso, estamos trazendo a discussão tanto da regulação das plataformas [digitais], a relação que o jornalismo tem com as big techs [grandes empresas de tecnologia], como também a relação da inteligência artificial (IA) e do impacto que ela pode ter no jornalismo e no debate público também”, disse a diretora executiva da Associação de Jornalismo Digital (Ajor), Maia Fortes.


Considerado um dos principais eventos de jornalismo e empreendedorismo da América Latina, o Festival 3i terá sua quarta edição nacional entre 5 e 7 de maio, na Casa da Glória, no Rio de Janeiro.


Os organizadores do evento querem trazer o lema do Festival 3i, formado por inovação, independência e inspiração, para o jornalismo no Brasil e no mundo. Durante a pandemia da covid-19, o festival teve edições online. No início do ano passado, aconteceu uma edição gratuita e estendida, envolvendo dez dias de eventos, com três mesas de debates a cada dia.


“Foi um marco inicial para a construção da nova edição que, a partir de agora, tem como responsável pela organização a Ajor”, disse Maia Fortes. “A ideia era conseguir elencar temáticas que a gente entendia que eram relevantes naquele momento, para o jornalismo”.


Inscrições

O festival reúne mais de 40 profissionais da América Latina e do mundo para participar dos debates. Os ingressos para o Festival 3i estão à venda pelo Sympla. O passaporte para os três dias do evento tem custo de R$ 250 a entrada inteira e R$ 125 meia entrada. Caso queira adquirir o ingresso por dia, o valor é R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia entrada). Os participantes receberão certificado. As inscrições para as oficinas já estão abertas e podem ser feitas na página do festival.


O diretor-geral da Fundação Gabo, Jaime Abello, é o convidado de honra do festival e fará uma palestra no primeiro dia do evento. A Fundação Gabo foi fundada pelo escritor Gabriel García Márquez com a missão de promover um jornalismo melhor e estimular a criatividade, com ênfase no método de seminários e oficinas. “A gente entende que a própria fundação cumpre o papel de disseminar esse conceito, essa concepção, para toda a América Latina, há bastante tempo, e ela tem sido uma referência na produção de conhecimento, seja pesquisas ou workshops relacionados ao jornalismo digital, eles estão sempre à frente dessa perspectiva”, disse Maia.


Regulação

Na discussão da regulação das plataformas digitais, virão representantes do Canadá e da Europa, que estão debatendo o tema no momento atual, assim como o Brasil. Participam da mesa o canadense Taylor Owen, diretor fundador do Centro de Mídia, Tecnologia e Democracia da Universidade McGill; o dinamarquês Iacob Gammeltoft, gerente de Políticas da NewsMedia Europe; Francisco Brito Cruz, diretor executivo da InternetLab; e o deputado federal Orlando Silva (PCdoB/SP), relator do Projeto de Lei nº 2630/2020, o PL das Fake News, que estabelece normas para redes sociais e aplicativos de mensagens a fim de promover mais transparência, combater as notícias falsas e criar mecanismos de remuneração do jornalismo.


Os impactos da inteligência artificial no jornalismo e no debate público serão assunto de debate no Festival 3i, reunindo nomes como Jonathan Stray, do Center for Human Compatible AI, na Universidade da Califórnia, em Berkeley, Estados Unidos; Florencia Coelho, cofundadora da equipe La Nación Data, na Argentina; e o sul-africano Tshepo Tshabalala, gerente do Journalism AI, projeto de pesquisa e treinamento da London School of Economics and Political Science (LSE).


Periferia

Maia Fortes informou também que o Festival 3i terá uma mesa focada no jornalismo periférico. “É importante discutir o papel que cumprem essas organizações que estão no território e, muitas vezes, acabam sendo referência para os veículos maiores produzirem pautas relacionadas a esses territórios”, disse.


Uma parte mais transversal da programação do evento visa olhar como os empreendedores de jornalismo conseguem se estruturar e criar organizações que tenham mais segurança institucional. “A gente vai ter mesas debatendo novas fontes de financiamento, relação com a audiência, porque entendemos que o público está no centro do jornalismo. Teremos outra mesa sobre a possível criação de fundos jornalísticos no Brasil e no mundo”, disse.


Nessas mesas estão confirmadas as participações de Atila Iamarino, biólogo e divulgador científico; Branca Vianna, fundadora e produtora da Rádio Novello; jornalista e colunista Tiago Rogero, vencedor do Prêmio Vladimir Herzog 2020 pelo projeto Querino, podcast com olhar afrocentrado sobre a história do Brasil; a mexicana Alejandra Higareda, fundadora da revista Malvestida, que trabalha a temática feminina de forma moderna e inclusiva; e a atriz e jornalista Ademara Barros.


O Festival 3i é uma realização da Associação de Jornalismo Digital (Ajor). Esta edição conta com patrocínio de Google, Meta, Luminate, TikTok, Fundação Tide Setubal e Clua (Climate and Land Use Alliance); apoio de Ford Foundation e Oak Foundation; e produção da Cardápio de Ideias Comunicação e Eventos.


Fundada em 3 de maio de 2021, Dia Internacional da Liberdade de Imprensa, a Ajor vai comemorar, durante o festival, dois anos de existência. A entidade representa mais de 100 organizações brasileiras de jornalismo digital e trabalha para fortalecê-las institucionalmente.


Fonte: Agência Brasil

Kommentare


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page