Fortuna dos 500 mais ricos do mundo cresceu R$ 10 tri


Empresário Jorge Paulo Lemann, o mais rico do Brasil (Reprodução)

Em 2020, mesmo com a pandemia, a fortuna total dos 500 mais ricos do mundo aumentou 31% em comparação com o ano anterior. É o que aponta o Índice de Bilionários da Bloomberg, verificando também que a quantia adicionada de US$ 1,8 trilhão (R$ 9,8 trilhões) foi a maior desde a criação do indicador, há oito anos.

De acordo com informação publicada na Folha de S.Paulo, executivos de empresas de tecnologia e mercado de luxo lideram a lista. O isolamento social, por exemplo, fez com que se intensificasse o uso da tecnologia e, por consequência, alavancou o consumo via ecommerce e as cadeias de armazenamento, embalagem e transporte ligadas a essa modalidade de vendas.

Neste mês, Larry Page, um dos fundadores do Google, entrou para lista de pessoas com mais de US$ 100 bilhões (R$ 547,8 bilhões). A última atualização mostrou Page com US$ 104 bilhões (R$ 569,7 bilhões). O Google começou a pandemia valendo US$ 988,7 bilhões (R$ 5,4 trilhões) e atualmente está em US$ 1,5 trilhão (R$ 8,2 trilhões).

No último trimestre de 2020, a Amazon faturou US$ 125,6 bilhões (R$ 688 bilhões), recorde histórico que representou aumento de mais de 40% no comparativo com o mesmo período de 2019.

Antes da pandemia começar, a varejista online valia US$ 916,2 bilhões (R$ 5 trilhões). Vale US$ 1,6 trilhão (R$ 9 trilhões) atualmente.

Dono da Amazon, Jeff Bezos continuou como o homem mais rico do mundo. Sua fortuna passou de US$ 115,3 bilhões (R$ 631,6 bilhões) para US$ 182 bilhões (R$ 997 bilhões) em 2020.

Bilionários brasileiros

O grupo de bilionários brasileiros também cresceu em 2020. São 20 novos bilionários em ano de pandemia, segundo contagem da revista Forbes divulgada no início deste mês. De acordo com a apuração, o Brasil contabiliza em abril deste ano 65 indivíduos cujas fortunas ultrapassam o bilhão de dólares, com um montante total correspondente a cerca de US$ 212 bilhões (R$ 1,2 trilhões).

Entre os novos super ricos estão David Vélez, CEO e fundador do Nubank, Anne Marie Werninghaus, acionista da fabricante de motores WEG, e um grupo de herdeiros da fortuna da Magazine Luiza.

O empresário Jorge Paulo Lemann, cofundador da 3G Capital que controla o grupo Kraft Heinz e a gigante cervejeira AB Inbev, segue sendo o brasileiro mais rico, com patrimônio avaliado em US$ 16,9 bilhões (R$ 94,7 bi).

Nove desses bilionários brasileiros moram no exterior. É o caso de Lemann, que mora na Suiça, e de Antonio Luiz Seabra, fundador da Natura, que hoje reside no Reino Unido.

O Brasil é 7° colocado no ranking de países que mais adicionaram bilionários à sua população em 2020. China e Estados Unidos, países de onde vem quase metade de todos os super ricos do mundo, lideram a lista.

Na contramão da riqueza de poucos, o Brasil também está entre os dez países que mais concentram renda. De acordo com informações do Tribunal de Contas da União, mais de 30% da população brasileira teve de ser atendida pela primeira etapa do auxílio emergencial da pandemia em 2020. Também foi o ano em que o Brasil voltou ao Mapa da Fome, do qual saiu em 2014.

 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

1/3
300x250px - para veicular a partir do di
Leia também: