Fux rebate Bolsonaro e diz que STF está atento a 'ataques'


Presidente do STF, ministo Luiz Fux rebateu Bolsonaro sem citá-lo nominalmente (Foto: Felipe Sampaio/STF)

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, disse nesta segunda-feira (2), após a escalada autoritária do presidente Jair Bolsonaro com ameaças às eleições, que "harmonia e independência entre os poderes não implicam impunidade" e que a Corte está atenta a "ataques de inverdades" que, segundo ele, "deslegitimam veladamente as instituições do país". Com críticas indiretas ao presidente, sem citá-lo nominalmente, o ministro discursou na sessão de abertura do semestre no STF, ressaltando que o povo brasileiro não quer polarizações, mas "quer vacina, emprego e comida na mesa".

Segundo Luiz Fux, esses ataques reiterados "ferem não apenas biografias individuais", e "o povo brasileiro jamais aceitaria" medidas inconstitucionais.

"Permanecemos atentos aos ataques de inverdades à honra dos cidadãos que se dedicam à causa pública. Atitudes desse jaez deslegitimam veladamente as instituições do país, ferem não apenas biografias individuais, mas corroem sorrateiramente os valores democráticos consolidados ao longo de séculos pelo suor e pelo sangue dos brasileiros que viveram em prol da construção da democracia de nosso país", disse Fux.

Com alto índice de rejeição apontado pelas recentes pesquisas com vistas às eleições de 2022, Bolsonaro tem feito ataques ao processo eleitoral, levantando uma série de suspeições sem apresentar provas contra o sistema eletrônico de votação utilizado em eleições no Brasil desde 1996.

No último sábado, Bolsonaro chegou a acusar o atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luis Roberto Barroso, de querer "eleições manipuladas".

"Numa sociedade democrática, momentos de crise nos convidam a fortalecer, e não deslegitimar, a confiança da sociedade nas instituições", declarou o ministro, que ainda disse: "afinal, no contexto atual, após trinta anos de consolidação democrática, o povo brasileiro jamais aceitaria que qualquer crise, por mais severa, fosse solucionada mediante mecanismos fora dos limites da Constituição".

Convocados pelas redes sociais, bolsonaristas foram às ruas no domingo para apoiar Bolsonaro e defender o "voto impresso e auditável". Também no domingo, o STF publicou um vídeo nas redes sociais para explicar didaticamente que as urnas eletrônicas são "seguras e transparentes, além de auditáveis".

300x250px.gif
728x90px.gif