top of page

Glazyev fala sobre moeda única do BRICS em acordos internacionais

Serguei Glazyev é um economista e político russo, Doutor em Ciências Econômicas, Professor, desde 2008, Acadêmico da Academia Russa de Ciências, membro estrangeiro da Academia Nacional de Ciências de Belarus. Desde outubro de 2019, ele foi nomeado membro do Collegium (Ministro) de Integração e Macroeconomia da Comissão Econômica da Eurásia. Ele possui vários prêmios estaduais, incluindo a Ordem da Amizade, a medalha do Conselho de Segurança da Federação Russa por serviços à segurança nacional.

Foto: TV BRICS

Em uma entrevista exclusiva à TV BRICS, ele falou sobre o potencial da moeda única do BRICS para acordos internacionais, as dificuldades de sua criação e os benefícios para os estados membros do BRICS.


- Como você avalia o surgimento de uma nova moeda de liquidação com uma função global? Até que ponto isso é possível?


Acho que é inevitável, porque a atual situação monetária e financeira do mundo é irracional. Os países que determinarão o desenvolvimento econômico global estão interessados em reformar profundamente o sistema financeiro internacional. Hoje já podemos dizer com certeza que, nos próximos 30 a 40 anos, o peso principal no crescimento do produto bruto mundial será desempenhado pelos países do Sudeste Asiático. Esses países são, em primeiro lugar, a China, a Índia e os países da ASEAN, cujas moedas praticamente não estão representadas atualmente no sistema monetário e financeiro mundial como moedas de reserva mundial.


Os países que determinarão o desenvolvimento econômico global em um futuro próximo claramente não estão interessados em preservar o sistema monetário e financeiro existente, pois há um desequilíbrio na relação proporcional.


No comércio dentro da União Econômica Eurasiática, mudamos quase completamente para as moedas nacionais. Se falarmos sobre o comércio com a Rússia, há uma substituição de quase 100% dessas moedas pelo rublo. No comércio com a China, já substituímos metade das moedas ocidentais por moedas nacionais - o rublo e o yuan. Em todo o espectro de nossos parceiros, vemos que o dólar e o euro estão sendo rapidamente expulsos dos acordos internacionais.


Depois da Rússia, vemos a mesma tendência em outros países do BRICS. Em especial, a China está expandindo ativamente o uso do yuan no comércio internacional e, na área da iniciativa "Um Cinturão, Uma Rota" da China, o yuan está gradualmente se tornando a moeda dominante porque a China é o principal investidor. A Índia anunciou que está passando a pagar as importações em rúpias. Também estamos cientes das declarações dos presidentes do Brasil e da África do Sul sobre a viabilidade da introdução de uma nova moeda de liquidação global. Em outras palavras, estamos agora no primeiro estágio desse processo.


Os países do BRICS e muitos outros países do mundo estão migrando para um uso mais amplo de moedas nacionais em acordos internacionais, porque todas elas são conversíveis em transações correntes e não são piores do que as moedas dos países ocidentais. Mas há o problema de que, quando se negocia em um grande número de moedas, há altos custos de arbitragem dessas taxas de câmbio. Ou seja, as entidades econômicas precisam levar em conta simultaneamente as flutuações das moedas nacionais de diferentes países.


Os preços mundiais ainda estão ligados ao dólar, portanto, esses cálculos geram muitas perdas. Além disso, enfrentamos grande incerteza na precificação, de modo que o próximo passo é desligar os preços das mercadorias mundiais negociadas em bolsa do dólar e passar a cotar as mercadorias mundiais negociadas em bolsa em outras unidades.


E quais são essas outras unidades? É aí que surge a ideia de introduzir uma nova moeda de liquidação mundial, que se tornaria um denominador comum para a formação de preços mundiais de mercadorias de troca. Estamos trabalhando nesse problema. Temos um modelo de tal moeda. Ele se baseia não apenas em uma cesta de moedas nacionais dos países membros, mas também em uma cesta de commodities de câmbio. O modelo mostra que essa moeda será muito estável e muito mais atraente do que o dólar, a libra esterlina e o euro.


- Quais são os desafios e que medidas você acha que precisam ser tomadas para acelerar o processo de introdução de uma nova moeda internacional?


Precisamos apenas de vontade política, porque tecnicamente essa moeda está quase pronta, o programa de computador e as ferramentas matemáticas já foram criados. Para lançar essa moeda, precisamos do acordo político dos países do BRICS, três dos quais já expressaram seu apoio à ideia de introduzir uma nova moeda por meio de seus chefes de estado. Estamos aguardando a reação da China e da Índia. A transição para liquidações em moedas nacionais faz parte da tarefa. E para lançar essa moeda, a Rússia, como país presidente, poderia convocar uma conferência internacional no próximo ano para assinar um acordo sobre a introdução de uma nova moeda de liquidação internacional.


A primeira cesta é formada automaticamente com base no pool de reservas cambiais, que já foi criado há muito tempo, e não precisamos inventar nada novo. A primeira cesta é simplesmente formada com base no conjunto de reservas de moeda dos países do BRICS, com base no qual a nova moeda é emitida. A segunda cesta é uma cesta de mercadorias negociadas em bolsa. Para que essa moeda seja respaldada não apenas pelas moedas nacionais dos países membros, mas também por algo mais sério e material, nós, como países que produzem e consomem a maior parte das mercadorias negociadas em bolsa no mundo, podemos muito bem formar a quantidade necessária de reservas nessas mercadorias para garantir que elas forneçam respaldo a essa nova moeda de liquidação internacional.


Para que esse modelo econômico funcione, é necessário assinar os documentos legais relevantes que determinarão quem emite essa moeda, em que valores, quais são as regras para a emissão dessa moeda e como as liquidações são realizadas nela. A minuta do tratado internacional pertinente pode ser feita muito rapidamente se houver vontade política dos países participantes.


Quanto ao modelo econômico e matemático, ele já foi criado, e o programa de computador também pode ser finalizado rapidamente - assim que todas as nuances da arquitetura e a formação de uma nova moeda de liquidação global estiverem claras. Deve-se entender que essa moeda não substitui as moedas nacionais de nenhuma forma. Ela foi criada exclusivamente para liquidações internacionais.


Portanto, os países continuam a trabalhar com suas moedas nacionais. Eles podem continuar a usar suas moedas nacionais em liquidações internacionais. Esse novo instrumento foi criado para a conveniência de todos os países membros. A questão da emissão dessa moeda pode ser tecnicamente resolvida de diferentes maneiras. Ela pode ser emitida com base no pool de reservas cambiais do Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS, se autorizarmos esse banco. Ela pode ser emitida por cada parte na proporção de sua participação no volume de liquidações internacionais, ou seja, é uma questão de negociação.


Assim que essas questões técnicas forem resolvidas, precisaremos preparar um tratado internacional relevante aberto à adesão de todos os outros países que desejarem participar e assiná-lo. Acredito que em alguns anos essa moeda poderá ser lançada.


- Que benefícios a introdução dessa moeda pode trazer para os países do mundo e, em particular, para os países do BRICS?


Em primeiro lugar, ao lançar essa moeda de liquidação internacional, criamos garantias contra tentativas de terceiros países de interferir em nossas relações mútuas.


Em segundo lugar, a introdução dessa moeda torna o comércio de cada país e sua posição no sistema financeiro internacional mais seguros. Em terceiro lugar, o lançamento dessa moeda nos dará uma oportunidade de cooperação comercial, econômica e de investimento igualitária, pois a emissão dessa moeda e, consequentemente, a distribuição da receita de comissões serão regulamentadas por um tratado internacional, serão transparentes e teremos a certeza de que nenhum de nossos parceiros abusará da emissão da moeda mundial.


Fonte: TV BRICS

Kommentare


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page