Governo vai pagar mais dois meses de auxílio emergencial


(Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O governo anunciou nesta terça-feira (30) a prorrogação, por mais dois meses, do auxílio emergencial de R$ 600 destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos, desempregados e pessoas de baixa renda durante a pandemia da Covid-19. O Ministério da Economia, no entanto, propõe pagar o benefício parceladamente dentro dos dois meses até completar o valor total de R$ 1.200.

O anúncio da prorrogação do programa foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro, acompanhado pelos presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre.

Pela lei que instituiu o auxílio emergencial por três meses a partir de abril, os pagamentos podem ser prorrogados desde que mantidos os valores estabelecidos de R$ 600.

Até a semana passada, Bolsonaro disse que os novos pagamentos do auxílio por mais três meses deveriam ser reduzido de forma decrescente, para R$ 500, R$ 400 e R$ 300, respectivamente.

Durante a solenidade, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que uma possibilidade é fazer isso de forma que, na prática, beneficiários recebam uma parcela de R$ 500, outra de R$ 400 e outra de R$ 300 ou uma de R$ 500, uma de R$ 100 e duas de R$ 300. O cronograma, porém, ainda não foi fechado.

O governo começou a pagar essa semana a terceira parcela do auxílio.


300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif