Greve dos Correios é em defesa da vida, diz liderança


Na segunda-feira (17), funcionários dos Correios anunciaram greve por tempo indeterminado no país inteiro. A Sputnik Brasil conversou com um dos líderes da greve sobre o assunto, que defendeu o direito de protesto dos trabalhadores dos Correios.

Para José Rivaldo da Silva, secretário-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT), a greve, deflagrada em meio à pandemia da COVID-19, tem como objetivo defender o direito à vida. "A nossa greve é pela vida, vida essa que está sendo ceifada pela COVID-19 e pelo general Floriano Peixoto [diretor-presidente dos Correios], porque até hoje os Correios cumprem precariamente com a questão dos EPIs [Equipamentos de Proteção Individual]", aponta o secretário-geral da FENTECT em entrevista à Sputnik Brasil. O funcionário dos Correios aponta ainda que a greve tenta denunciar os casos de COVID-19 que têm acometido os trabalhadores que, segundo José Rivaldo, vêm sendo tratados como "apenas números pela empresa". Além disso, a greve também tenta barrar a redução dos salários em meio à pandemia. "A empresa, em plena pandemia, quer reduzir a nossa remuneração salarial em mais de 40%, então nós não podemos aceitar isso em hipótese alguma", afirma, garantindo que a greve no país inteiro "é forte" e que seguirá defendendo "direitos fundamentais". O Presidente Jair Bolsonaro anuncia o novo ministro da Secretaria Geral da Presidência da Republica, Major Jorge Antônio de Oliveira Francisco e o Novo Presidente dos Correios e Telégrafos, General Floriano Peixoto José Rivaldo ressalta ainda que houve um aumento na demanda pelos Correios em meio à pandemia devido ao crescimento do comércio virtual no período, e que por isso a empresa estaria lucrando mais, ao mesmo tempo em que tenta cortar salários. "Existe uma projeção de lucro de mais de R$ 800 milhões nos Correios ao final do ano, e a gente não pode deixar que em meio a tudo isso, em meio a todo esse processo produtivo feito por nós, os Correios venham e retirem direitos que são fundamentais para a classe trabalhadora", conclui. A Sputnik Brasil pediu também aos Correios uma manifestação sobre a greve e as reivindicações dos funcionários, mas não recebeu resposta até o fechamento desta matéria.


Fonte: Sputnik Brasil

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg