top of page

Insubordinação de Comandante do Exército provocou exoneração

Na tarde do último sábado (21/1), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu exonerar o comandante do Exército, Júlio César de Arruda. Em seu lugar entrará o chefe do Comando Militar do Sudeste (CMSE), o general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, conforme noticiado. A tensão entre governo e militares é notória, uma vez que a presidência acredita que as Forças Armadas foram coniventes com as invasões aos prédios dos três Poderes no dia 8 de janeiro.

Foto: Ten. Ferrentini / Divulgação / Comando Militar do Leste

Entretanto, mais do que a elevação dos ânimos com os atentados, uma resistência do ex-comandante foi a gota d'agua para Lula: o presidente solicitou a imediata remoção do tenente-coronel Mauro Cid do cargo, mas o pedido não foi atendido.


Mauro Cid, que é conhecido como coronel Cid, estava no comando de um dos batalhões do Exército em Goiânia, e foi ajudante de ordens e homem de confiança do ex-presidente Jair Bolsonaro durante todo o seu mandato e seria operador de um esquema de Caixa 2 com o cartão corporativo do ex-presidente, segundo denúncias. Bolsonaro inclusive, há poucos dias do fim do seu governo, redirecionou o coronel para a unidade em Goiânia.


Além de não ter cumprido a solicitação de Lula, o general Arruda disse a vários interlocutores militares nos últimos dias que não aceitaria se fosse expedida uma ordem de prisão contra Cid, que é investigado por em um inquérito que corre no Supremo Tribunal Federal (STF), relata a mídia.

O presidente, como comandante supremo das Forças Armadas, não poderia ter outra atitude: ou demitia Arruda ou nunca mais teria como almejar ter o controle das Forças Armadas.

Bolsonaro e Mauro Cid / Reprodução

Antes da demissão deste sábado (21/1) acontecer, o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro atuou, ao longo da semana, para a permanência do general. Segundo relatado pela imprensa, nas conversas com integrantes do governo e ex-ministros da Defesa, Múcio apontava receio de que uma troca no comando da força acentuasse a crise entre o governo e os militares.


Em defesa da atuação de Arruda de não desmontar os acampamentos em frente ao quartel general da força no Distrito Federal, Múcio dizia que as pessoas já estavam instaladas há meses, antes de 30 de dezembro quando o general assumiu o posto de comandante, e que isso dificultava o trabalho.

Desde que voltou a comandar o Palácio do Planalto, Lula vem realizando uma "desmilitarização" de cargos no governo federal, com o movimento ganhando ênfase após as invasões em Brasília no dia 8 de janeiro.


A passividade do Exército em deixar os manifestantes passarem e depredarem por um longo tempo o local foi apontada pelo presidente como sendo uma atitude conivente com o que estava acontecendo, conforme amplamente noticiado.


*Com informações da Agência Sputnik Brasil

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page