Juiz libera volta das armas de assalto na Califórnia


(Reprodução)

O problema do controle de armas nos EUA volta a surgir em meio a um fluxo aparentemente interminável de tiroteios em massa.

Em março, após o assassinato de 10 pessoas em Boulder, Colorado, o presidente dos EUA Joe Biden instou o Congresso a pressionar por restrições às armas de assalto.

Na sexta-feira (4), um tribunal da Califórnia revogou a proibição de posse de armas de assalto, que esteve em vigor no estado durante 32 anos, desencadeando a fúria entre funcionários e ativistas pela segurança das armas, avança agência AP.

O juiz distrital dos EUA Roger Benitez, de San Diego, definiu as restrições anteriores em relação às armas de assalto como "inconstitucionais".

De acordo com o juiz, a proibição dos fuzis de assalto viola a Segunda Emenda da Constituição, que prevê o direito de portar armas, privando desta maneira os californianos de possuir este tipo de armamento comumente permitido em outros estados.

"Tal como o canivete suíço, o popular fuzil AR-15 é uma combinação perfeita de arma de defesa doméstica e equipamento de defesa interna. Bom tanto para a casa como para a batalha", afirmou Benitez.

Ele afirmou ainda que "as 'armas de assalto' proibidas não são bazucas, obuseiros ou metralhadoras" que são "perigosas e unicamente úteis para fins militares", enquanto as armas de assalto são "bastante comuns, populares, modernas".

De acordo com o tribunal, no estado da Califórnia há 185.569 armas de assalto registradas, adquiridas ou herdadas antes da restrição ter sido introduzida em 1989.

O juiz concedeu um prazo de 30 dias para apresentar recurso na sequência de um requerimento do procurador-geral da Califórnia Rob Bonta, que classificou a decisão de "fundamentalmente deficiente".


Fonte: Agência Sputnik

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg