Juiz multa policiais federais que apreenderam madeira ilegal


Em dezembro, policiais federais fizeram uma apreensão histórica de madeira ilegal no Pará (Foto: PF do Pará)

Em decisão a favor de uma empresa investigada por explorar madeira ilegalmente, um juiz federal de Belém, no Pará, fixou uma multa diária de R$ 200 mil para cada policial federal envolvido na ação.

O juiz Antonio Carlos Campelo mandou liberar uma balsa de madeira apreendida. Com a decisão, ele derrubou entendimento de seu substituto, que havia mandado o caso de volta para a justiça do Amazonas.

O TRF-1 suspendeu, por ora, a decisão de Campelo por entender que a competência do caso é no Amazonas, não no Pará, de acordo com informações da Folha de S. Paulo.

Na Polícia Federal, a preocupação é de que outras operações similares sejam anuladas com base nessa decisão, como a que fez a maior apreensão de madeira da história.

O Pará e o Amazonas são os estados com maior incidência de crime ambiental envolvendo extração ilegal de madeira nativa. Um estudo publicado pela ONG Imazon mostra que 70% da madeira explorada no Pará é ilegal.

Maior apreensão da história

Em dezembro de 2020, a Polícia Federal, na divisa do Pará com o Amazonas, concluiu a maior apreensão de madeira irregular da história brasileira. Foram 131,1 mil metros cúbicos de toras apreendidas – um volume suficiente para construir 2.620 casas. Não houve prisões.

A operação foi batizada de Handroanthus GLO, que reúne o nome científico do ipê, a árvore mais cobiçada pelos madeireiros na Amazônia, à sigla da Garantia da Lei e da Ordem. Até então, o recorde de apreensão eram de 65 mil metros cúbicos de madeira ilegal extraída, também no Pará. O volume, apreendido em 2010, corresponde à metade do novo recorde.

Afrouxamento suspeito

Segundo dados da ONU em colaboração com a Interpol, em um ano, o comércio ilegal de madeira no mundo todo movimentou entre 30 a 100 bilhões de dólares, o que fez com eles concluíssem, que do comércio total, de 10% a 30% são ganhos por parte da ilegalidade.

Ao reverter regulamentações que proibiam a venda para o exterior de madeiras suspeitas, tornando legal a maior parte das exportações, autoridades ambientais do governo Bolsonaro facilitaram a extração ilegal de madeiras raras e valiosas, como o ipê, cujo metro cúbico pode ser vendido por até U$ 2.500 em terminais brasileiros de exportação.

Segundo especialistas, o afrouxamento de tais regulamentações protege grupos criminosos que cortam as árvores e blinda exportadores no Brasil e importadores estrangeiros, impedindo que eles sejam acusados de causar desmatamento via cadeias de fornecimento.

Além disso, as medidas fortaleceram extrativistas ilegais, que provocaram um aumento nas invasões a terras indígenas e demais áreas protegidas. Mais de 300 pessoas foram assassinadas na última década como resultado de conflitos fundiários na Amazônia.



 Conheça a nova Scooter Elétrica

Não precisa de CNH, sem placa e sem IPVA

Leia também:

Editor Responsável: Luiz Augusto Erthal.

Redação e Comercial: Rua Santa Clara, 32, Ponta d'Areia, Niterói, RJ

CEP 24040-050 | (21) 2618-2972 | jornaltodapalavra@gmail.com

Os conceitos emitidos nas matérias assinadas são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do jornal. As colaborações, eventuais ou regulares, são feitas em caráter voluntário e aceitas pelo jornal sem qualquer compromisso trabalhista. © 2016 Mídia Express Comunicação.

A equipe

Editor Executivo: Luiz Augusto Erthal. Editor Rio: Vanderlei Borges. Editor Niterói: José Messias Xavier. Editores Assistentes: Apio Gomes e Osvaldo Maneschy. Editor de Arte: Augusto Erthal. Financeiro: Márcia Queiroz Erthal. Circulação, Divulgação e logística: Ernesto Guadalupe.

Uma publicação de Mídia Express 
Comunicação e Comércio Ltda.
Rua Santa Clara, 32, Ponta d’Areia, Niterói, Est. do Rio,

Cep 24040-050. 
Tel.: (21) 2618-297

jornaltodapalavra@gmail.com

  • contact_email_red-128
  • Facebook - White Circle
  • Twitter - White Circle