Kremlin zoa erro da Bloomberg, que noticiou invasão russa


(Foto: Maxim Shipenkov)

A agência de notícias Bloomberg publicou uma manchete dizendo "Ao vivo: Rússia invade a Ucrânia". A notícia surgiu na página inicial por volta das 18h00, no horário de Brasília, e permaneceu lá durante quase meia-hora, antes de ser removida e emitido um pedido de desculpas.

Os usuários que clicaram na notícia chocante enquanto ela ainda estava no site eram redirecionados para uma página de erro, segundo escreve o New York Post.

Capturas de tela do site da Bloomberg foram compartilhadas no Twitter indicando que a alegação sensacionalista permaneceu em grande parte despercebida por pelo menos 24 minutos antes de ser removida.

A agência de notícias admitiu o erro, dizendo que ela "prepara manchetes para muitos cenários e que o título 'Rússia invade Ucrânia' foi inadvertidamente publicado em torno das 16h00 no horário da Zona de Tempo Oriental hoje (4) em nosso site".

"Lamentamos profundamente o erro. A manchete foi removida e estamos investigando a causa", acrescentou a Bloomberg.

Esta manchete de "Rússia invade a Ucrânia" foi finalmente removida depois de permanecer no site da Bloomberg por cerca de 30 minutos. Como é que isso aconteceu?

Erro grave da Bloomberg. Ninguém reparou nisto durante 30 minutos?? Os editores [estavam] dormindo?

Por sua vez, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov disse à Sputnik que o termo "fake news" (notícias falsas) pode ser substituído por "Bloomberg news" após a publicação errada da agência sobre o início da "invasão" da Ucrânia pela Rússia.

Comentando a notícia falsa, Peskov observou que a situação mostra os perigos das declarações agressivas dos EUA e dos países do Ocidente, uma vez que tais notícias podem levar a consequências irreparáveis.

"Em geral, é claro, uma edição tão séria como a Bloomberg, talvez agora, possamos dizer não 'fake news' mas 'Bloomberg news' o que seria plenamente justificado", disse Peskov à Sputnik.

"Este é um exemplo das consequências a que pode levar o clima de extrema tensão que se formou devido a estas ações agressivas dos nossos parceiros na Europa. E é também uma boa demonstração de como tais publicações podem levar a consequências irreparáveis", enfatizou Peskov.


Nos últimos meses, os EUA e países aliados europeus acusam a Rússia de acumular tropas junto da fronteira com a Ucrânia com a intenção de invadir o país. O aumento das tensões na região tem dominado as manchetes na mídia internacional.

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg