Lavrov: delegação ucraniana é liderada pela mão dos EUA


Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov (Foto: Sputnik/Sergei Guneev)

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou que o Ocidente está controlando a delegação ucraniana nas negociações com a Rússia sem permitir que Kiev aceite as condições mínimas nas negociações de paz.

"Sempre sente que a delegação ucraniana é liderada pela mão, provavelmente pelos EUA, e não tem permissão para aceitar as exigências que acho absolutamente mínimas", disse Lavrov, segundo a Interfax. Ainda assim, disse ele, "o processo [de negociação de paz] continua".

O chanceler sublinhou que a atual crise no país eslavo "não se origina na Ucrânia", mas no curso que o Ocidente tem seguido desde o início dos anos 1990, "depois que ficou claro que a Rússia não seria obediente e que a Rússia tinha sua própria opinião."

"Não porque queremos ser algum tipo de valentão, mas porque temos nossa própria história, nossas próprias tradições, nossa própria compreensão da história de nossos povos e nossa própria visão de como garantir nossa segurança e nossos interesses neste mundo", explicou Lavrov.

O ministro comentou as sanções que os países ocidentais adotaram em reação à chamada operação militar especial russa, dizendo que "o comportamento do Ocidente confirma sua falta de confiabilidade como parte do mundo onde as principais moedas de reserva são geradas, como parceiro econômico ou como países onde as reservas de divisas podem ser mantidas". Após dizer isso, Lavrov concluiu: "Eles [os países ocidentais] simplesmente vão roubá-las".

Nesse contexto, Lavrov ressaltou que a Rússia está fortalecendo a cooperação com outros países, principalmente a China.

Exigências russas

Em encontro com o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, Vladimir Putin detalhou seis exigências da Rússia para selar um acordo de paz na Ucrânia.

A principal delas é que a Ucrânia se comprometa a nunca fazer parte da Organização do Tratado Atlântico Norte, a Otan, e de quaisquer outros organismos multilaterais comandados pelos EUA.

Putin ainda exige que a Ucrânia se submeta a um processo de desarmamento para mostrar que não representa uma ameaça à Rússia.

A Ucrânia também teria que manter o idioma russo em áreas do país onde ela é falada.

Putin ainda exige que a Ucrânia realize a "desnazificação" do país, proibindo grupos de ultradireita remanescentes da II Guerra Mundial que são nutridos pela ideologia nazista.

Outras duas medidas exigidas se referem aos territórios. A primeira delas é sobre a região da Crimeia, no sul da Ucrânia, que foi anexada pela Rússia após a chamada "revolução ucraniana de 2014", em que o governo do presidente Viktor Yanukovych (pró-Rússia) foi deposto ao se recusar a assinar um acordo de associação com a União Europeia.

A outra se refere aos territórios de Donetsk e Lugansk, reconhecidas pela Rússia como regiões independentes no dia 21 de fevereiro.


Com a RT

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg