top of page
banner niteroi carnaval 780x90px 16 02 24.jpg

Lula anuncia GLO em portos e aeroportos contra crime organizado


(Foto: Cleber Rech/Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão)

O governo federal anunciou, na tarde desta quarta-feira (1º), o uso de tropas das Forças Armadas em ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) nos portos e aeroportos do Rio de Janeiro e de São Paulo.


A medida abrange os portos de Itaguaí (RJ), do Rio de Janeiro (RJ) e Santos (SP). Além dos aeroportos do Galeão (RJ) e Guarulhos (SP). De acordo com o governo federal, será assinado um decreto para a GLO específica, em portos e aeroportos de Rio de Janeiro e São Paulo. Nesses locais serão empregados, respectivamente, militares da Marinha e da Aeronáutica, na tentativa de combater o crime organizado. A GLO atende a um pedido por ajuda federal do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL). A operação deve perdurar até maio de 2024.


"Esse decreto ele estabelece a criação de uma operação integrada de combate ao crime organizado, e por isso estou fazendo esse decreto de GLO especificamente para o porto do Rio de Janeiro, porto de Santos, porto de Itaguaí, aeroporto do Galeão e aeroporto de Guarulhos", disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).


O chefe do executivo nacional reuniu os ministros José Múcio (Defesa), Flávio Dino (Justiça) e Rui Costa (Casa Civil), além dos comandantes das Forças Armadas. O anúncio foi realizado no Palácio do Planalto. Lula também afirmou que a PF irá "ampliar" operações contra "quadrilhas e milícias" do Rio de Janeiro.


Durante coletiva, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, inferiu que a medida visa tirar dinheiro do crime organizado. "Temos que tirar dinheiro do crime organizado", frisou o ministro.


A Marinha ampliará a atuação, em articulação com a Polícia Federal, nos seguintes locais: Baía de Guanabara (RJ); Baía de Sepetiba (RJ); acessos marítimos ao Porto de Santos (SP); Lago de Itaipu (RJ). Haverá, nos próximos meses, reforço de efetivo e equipamentos, com mobilizações extras na Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná .


As Forças Armadas vão atuar em conjunto com a Polícia Federal. Exército e Aeronáutica também vão ampliar a atuação nas fronteiras, em conjunto com PF e Polícia Rodoviária Federal, em especial no Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul — segundo Dino, há ligação logística com as facções que atuam no Rio e em São Paulo. Paraná e Mato Grosso do Sul fazem fronteira com o Paraguai, por onde investigações apontam que entram armas de grosso calibre e drogas no Brasil.


Crise no Rio

A declaração do uso da GLO surge em meio as crises que o Rio de Janeiro vem passando, nos últimos dias, devido ações de milicianos. As medidas foram anunciadas quase dez dias após o ataque de milicianos, que incendiaram 35 ônibus e trem no Rio. As ações foram uma resposta de criminosos pela morte de Matheus da Silva Rezende, o Faustão, um dos líderes da maior milícia do estado. Além do assassinato de médicos no Rio.


Queima de ônibus

Na última semana, um suspeito de ser também chefe de milícia foi baleado durante ação da Polícia Civil. Marcelo de Luna Silva, de 34 anos, popularmente conhecido como Bokinha, seria, segundo informações da polícia, um dos homens de confiança de Luís Antônio da Silva Braga, o Zinho, chefe da maior milícia que atua no Rio de Janeiro.


Também na Zona Oeste da capital, a população foi aterrorizada por milicianos que mandaram queimar 35 ônibus e um trem após a morte do sobrinho de um miliciano pela polícia.


Um dia após o ocorrido, o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, sinalizou que, no momento, uma intervenção federal não está na pauta da pasta. "Neste momento apostamos no SUSP [Sistema Único de Segurança Pública]. Apostamos no fortalecimento das relações interfederativas. Cada estado tem o seu papel. O policiamento ostensivo é responsabilidade do estado."


Prisão de miliciano confundido com médico

A Polícia Federal prendeu o miliciano Taillon de Alcântara Pereira Barbosa e seu pai, Dalmir Barbosa, após uma operação na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Conforme a corporação, eles são suspeitos de chefiar uma organização paramilitar em Rio das Pedras, uma das mais antigas da capital fluminense.


Pai e filho também eram alvo de traficantes que executaram por engano três médicos, entre eles o irmão da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL), também na Barra da Tijuca. As prisões aconteceram próximo ao Parque Olímpico de Jacarepaguá.


Além deles, três homens, sendo dois policiais militares da reserva e outro da ativa, também foram presos por organização criminosa. Eles faziam a segurança particular dos milicianos.


Taillon de Alcântara já foi preso em dezembro de 2020, durante operação do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio de Janeiro.


A semelhança física do miliciano com o médico Perseu Ribeiro Almeida, que participava com os outros colegas de um congresso de medicina, levou os traficantes a dispararem contra o grupo. Um deles foi levado ao hospital e sobreviveu. Além disso, Taillon mora próximo ao quiosque onde o crime aconteceu.


Os suspeitos de participarem da execução foram mortos pela própria facção criminosa em que atuavam. Os corpos de dois deles estavam dentro de veículos na Zona Oeste do Rio.


Fonte: Agência Sputnik

Chamada Sons da Rússia5.jpg
banner niteroi carnaval 300x250px 16 02 24.jpg
Divulgação venda livro darcy.png
bottom of page