Maior medalhista brasileiro se despede com um 4º lugar


Após disputar quatro edições dos Jogos Paralímpicos (Pequim 2008, Londres 2012, Rio 2016 e Tóquio 2021), o nadador Daniel Dias se despediu das piscinas com a quarta colocação nos 50m livre (classe S5 - para atletas com comprometimentos físicos-motores) no Centro Aquático de Tóquio na manhã desta quarta-feira, 1.

O multimedalhista, que já havia anunciado a aposentadoria no último mês de janeiro, encerrou a sua última prova da carreira com o tempo de 32s12. O pódio foi formado pelos chineses Tao Zheng (30s31), que bateu o recorde paralímpico, Weiyi Yuan (31s11) e Lichao Wang (31s35).

Maior medalhista paralímpico brasileiro da história, Daniel subiu 27 vezes ao pódio no megaevento. É o atleta com mais pódios na história do Brasil -- ao todo, foram 14 medalhas de ouro, sete de prata e seis de bronze.

Somente em Londres 2012, quando foi porta-bandeira da delegação, foram seis medalhas de ouro nas seis provas individuais disputadas, o que também fez o nadador ser o principal atleta do país com maior quantidade de "pódios dourados" na história.

Já nos Jogos de Tóquio, ele conquistou três medalhas de bronze (100m livre S5, 200m livre S5 e revezamento 4x50m livre misto até 20 pontos).

"Gostaria de agradecer a Deus pelo dom que me deu, por tudo que me deu no esporte. Obrigado. A palavra é gratidão. É difícil conseguir falar. Espero que muitas crianças, com deficiência ou sem, estejam vendo e assistindo. Acreditem no sonho de vocês. A deficiência não define quem somos. Gratidão é o principal sentimento agora", disse Daniel.

Além disso, o atleta, natural de Campinas (SP), conquistou 40 medalhas em seis mundiais, sendo 31 ouros, sete pratas e dois bronzes, e 33 pódios em Jogos Parapan-americanos, sendo todos de ouro.

Todos esses resultados renderam ao nadador três troféus do Prêmio Laureus, considerado o "Oscar do Esporte". Daniel é o único brasileiro a alcançar esta façanha. No mundo, apenas mais quatro esportistas masculinos conseguiram este feito.

De quebra, Daniel Dias detém ainda quatro recordes mundiais, sendo nas provas dos 100m costas (com o tempo de 01min16s24), 100m e 200m nado peito (01min32s27 e 03min21s36, respectivamente) e 100m borboleta (01min17s79).


(Foto: Ale Cabral/CPB)

Histórico

Daniel nasceu com má-formação congênita dos membros superiores e na perna direita. Descobriu o paradesporto ao assistir pela TV ao nadador Clodoaldo Silva em uma das provas dos Jogos Paralímpicos de Atenas 2004. Daniel é o maior nadador paralímpico do mundo no número de láureas, 28 ao todo, sendo 14 de ouro.

Fora das piscinas, Daniel Dias já exerce algumas funções administrativas. Em 2014, fundou o Instituto Daniel Dias com o intuito de oferecer treinamentos de natação paralímpica às pessoas com deficiência da cidade de Bragança Paulista e região.

Além disso, atua como membro do Conselho Nacional de Atletas e da Assembleia Geral do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Confira as principais conquistas de Daniel Dias na carreira:

- Três ouros e duas pratas no Mundial de Durban 2006;

- Quatro ouros, quatro pratas e um bronze nos Jogos Paralímpicos de Pequim 2008;

- Oito ouros e uma prata no Mundial da Holanda 2010;

- Onze ouros nos Jogos Parapan-Americanos de Guadalajara 2011;

- Seis ouros nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012;

- Seis ouros e duas pratas no Mundial de Montreal 2013;

- Oito medalhas de ouro nos Jogos Parapan-Americanos Toronto 2015;

- Sete medalhas de ouro e uma de prata no Mundial de Glasgow 2015;

- Quatro medalhas de ouro, três medalhas de prata e duas de bronze nos Jogos Paralímpicos Rio 2016;

- Seis medalhas de ouro no Mundial do México em 2017;

- Ouro nos 50m livre, prata nos 100m livre e bronze nos 50m costas e 50m borboleta no Mundial de Londres 2019;

- Cinco ouros nos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019;

- Três medalhas de bronze (100m livre S5, 200m livre S5, e revezamento 4x50m livre misto até 20 pontos) nos Jogos Paralímpicos de Tóquio).


Vida após aposentadoria

Mesmo fora das competições, Daniel quer continuar contribuindo com o esporte paralímpico. Ele se tornará o novo membro da Academia Laureus, formada por ídolos do esporte. Eles atuam na promoção de ações junto a jovens e votam na eleição dos melhores do ano no prêmio Laureus.

Daniel ainda é membro da Assembleia Geral do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e compõe a Comissão Nacional de Atletas no biênio 2020-2022. Ele quer ir mais longe, o paulista concorre a uma vaga no Conselho de Atletas do Comitê Paralímpico Internacional. A eleição acontecerá até o final de Tóquio 2020.

Além disso, o brasileiro vai manter o Instituto Daniel Dias, inaugurado em 2014. A entidade oferece treinamentos de natação paralímpica para pessoas com deficiência na cidade de Bragança Paulista, em São Paulo.


Com o Comitê Paralímpico Brasileiro

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg