Marcas de roupa mundiais estariam relacionadas ao desmate


Dados do Inpe mostram recordes de desmatamento no governo Bolsonaro (Foto: Paulo Pereira/Greenpeace)

Nos últimos anos o governo brasileiro vem sendo alvo constante de críticas de diversas organizações por não combater devidamente o crescente desmatamento da Floresta Amazônica. Os dados da pesquisa da Stand.Earth mostram que a criação de gado é um dos principais responsáveis pela deflorestação, em grande parte feita pela empresa brasileira JBS.

Segundo os dados, na última década a JBS desmatou mais de 3 milhões de hectares, e as análises do projeto calculam que 81% do desmatamento tenha sido feito ilegalmente. Entre os dados analisados estão a relação entre compra de gado na região da Amazônia Legal Brasileira em 2016 e o aumento do desmatamento nas mesmas regiões desde então. Também foram observadas imagens de satélite que mostram cenas de deflorestação, rebanhos de gados e estruturas para cuidado dos animais.

Em resposta às acusações, a empresa JBS divulgou um comunicado dizendo: "A JBS está totalmente comprometida com a criação de gado sustentável em todas as regiões onde opera […] Nossa empresa não tolera o desmatamento ilegal, uso de mão de obra forçada, exploração de terras indígenas ou violações de embargos ambientais".

O estudo realizado pela organização ambiental ainda está em curso, mas até agora fez a conexão entre 400 diferentes empresas, sejam produtores de couro, indústrias de sapatos e roupas e lojas de moda. O relatório explica que as conexões descobertas não são uma garantia do envolvimento direto das marcas com couro proveniente de desmatamento na Amazônia, mas demonstram que estas empresas estão ao menos sob o risco de contribuir com o mesmo.

Entre as marcas com várias conexões ao desflorestamento da Amazônia estão: Adidas, Fila, Puma, Nike, Zara e Prada. O coletivo Slow Factory criou um mapa interativo onde pode ser vista a relação das marcas citadas na pesquisa e empresas responsáveis pelo desmatamento.

Criação de gado no Brasil

O Brasil tem a maior produção de gado do mundo com 215 milhões de animais, e 80% da produção de couro é exportada. Os grandes importadores de couro brasileiro são China, com a compra de 41,6% da produção, seguida pela Itália com 27,3% e Vietnã com 9,6%.

Recordes de desmatamento com Bolsonaro

A Amazônia Legal sofreu nova alta na taxa de desmatamento, que chegou a 21,97% no período entre agosto de 2020 e julho de 2021. Os dados compilados por meio do programa Prodes, ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mostram que é o maior índice já registrado desde 2006.

Foram desmatados, ao todo, 13.235 km². Os pesquisadores identificaram aumento de 52,9% na área total desmatada durante os três primeiros anos da gestão Bolsonaro, com média de 11.405 km² entre 2019 e 2021. Nos três anos anteriores, a média registrada foi de 7.458 km².

“Fica evidente que as ações necessárias por parte do Brasil para conter o desmatamento e as mudanças climáticas não virão deste governo, que está estacionado no tempo e ainda vê a floresta e seus povos como empecilho ao desenvolvimento”, disse, na semana passada, a porta-voz da campanha da Amazônia do Greenpeace, Cristiane Mazzetti.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), 7,3 milhões de hectares de floresta foram perdidos na Amazônia brasileira nos últimos 10 anos.


Com a Sputnik

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg