top of page

Marinha rejeita privatização de praias; pilares para defesa da soberania


A Marinha do Brasil emitiu nota com críticas à proposta de emenda à Constituição (PEC) 2/2022 que transfere a propriedade dos terrenos do litoral brasileiro do domínio da Marinha para estados, municípios e proprietários privados.


"Essas áreas são pilares essenciais para a defesa da soberania nacional, o desenvolvimento econômico e a proteção do meio ambiente, tendo em vista a diversidade de ecossistemas, a importância das atividades econômicas relacionadas aos ambientes marinho e fluviolacustre, além da necessária proteção de 8,5 mil km de litoral", diz a nota, emitida nessa segunda-feira (3).


A PEC foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, em fevereiro de 2022, e voltou a ser discutida na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado na semana passada.


A nota reitera que "as dimensões continentais do Brasil e complexidade de sua sociedade requerem o amplo debate em torno do tema, a partir da participação de toda sociedade, a fim de garantir a análise pormenorizada de aspectos regionais que permitam o tratamento diferenciado e inclusivo, além do enfoque estratégico da soberania nacional".


Atualmente, como manda a Constituição, as áreas litorâneas pertencem à União, inclusive os terrenos de marinha e as praias marítimas e fluviais, e que, segundo a Marinha, "constituem não apenas uma questão administrativa, mas patrimônio essencial para a salvaguarda dos interesses nacionais e do desenvolvimento sustentável do Brasil".


Nessa segunda, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou que o governo é contra a proposta.


"O governo é contrário a esse programa de privatização das praias brasileiras que vai cercear o acesso da população brasileira às praias e criar verdadeiros espaços privados, fechados. Vamos trabalhar contrário na CCJ. Tem muito tempo ainda para discutir na CCJ, vamos explicitar", declarou ele em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto.


A PEC 03/2022, de autoria do deputado federal Arnaldo Jordy (Cidadania-PA), versa sobre a possibilidade de tornar as praias brasileiras uma espécie de "Cancún". O relator da pauta no Senado é o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ).


A proposta exclui o inciso VII do artigo 20 da Constituição, que afirma que os terrenos de marinha são de propriedade da União, transferindo gratuitamente para os estados e municípios as áreas afetadas ao serviço público estadual e municipal, inclusive as destinadas à utilização por concessionárias e permissionárias de serviços públicos.


De acordo com o Grupo de Trabalho para Uso e Conservação Marinha (GT-Mar), ligado à Frente Parlamentar Ambientalista do Congresso Nacional, a União tem autonomia para dar outras funções a esses espaços, que não uma finalidade privada. Com a transferência da propriedade para os ocupantes, a necessidade de desocupação posterior, para a criação de áreas de recuo da terra em relação ao avanço do mar, implicará em custos com desapropriação, trazendo prejuízos ao erário.


Governo Bolsonaro

Não é novidade que desde os primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro existe um lobby no Congresso a favor da venda de áreas públicas em praias e ilhas brasileiras para grupos de empresário interessados na construção de hotéis e resorts à beira-mar..


De acordo com a Folha de São Paulo, um projeto piloto nesses moldes seria feito em Angra dos Reis (RJ) - onde a família Bolsonaro tem casas de veraneio -, Maragogi (AL), Cairu (BA) e região de Florianópolis (SC).


Com a Agência Sputnik

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page