Militares dos EUA mataram civis após explosões em Cabul


(Reprodução)

Quase 100 pessoas foram confirmadas como mortas, e outras 150 consideradas feridas, após as explosões de quinta-feira (26) em Cabul, mas algumas das mortes teriam ocorrido após os ataques.

Algumas das pessoas morreram às mãos de militares dos EUA durante a confusão provocada pelas explosões em Cabul, Afeganistão, na quinta-feira (26), contaram testemunhas à emissora BBC.

Uma das vítimas foi um homem chamado Mohammed, um taxista de Londres, Reino Unido, que foi a Cabul para ajudar sua família a garantir uma passagem segura para fora do país, mas foi morto com sua esposa na explosão no exterior do Aeroporto Hamid Kharzai, enquanto dois de seus filhos continuam desaparecidos.

Segundo seu irmão e outros entrevistados, eles foram mortos por disparos vindos da direção onde os soldados americanos estavam guardando o perímetro do aeroporto.

Um afegão disse igualmente à BBC que um civil que havia trabalhado para as forças norte-americanas foi morto a tiros por militares dos EUA no rescaldo da explosão.

"O cara [tinha] servido o Exército dos EUA durante anos. E a razão pela qual ele perdeu sua vida – ele não foi morto pelo Talibã. Ele não foi morto pelo Daesh [organizações terroristas proibidas na Rússia e em vários outros países]", disse o homem, acrescentando que a vítima foi encontrada com um buraco de bala na cabeça, sem outros ferimentos.

O Pentágono não respondeu a um pedido de comentários por parte da BBC.

Os ataques junto do aeroporto de Cabul levaram a vida de pelo menos 95 pessoas, e feriram outras 150.

Washington tem sido criticado pela desorganização e lentidão da evacuação de civis do aeroporto de Cabul, depois que o Talibã tomou Cabul a 15 de agosto, muito mais rápido que o esperado pela OTAN.

Ataque aéreo dos EUA

Dois líderes do Estado Islâmico-Khorasan, um ramo do Daesh que atua no Afeganistão, foram mortos, e um foi ferido, na sexta-feira (27) na sequência de um ataque de drone norte-americano, segundo Washington.

Um ataque de drone americano matou dois líderes do Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), um ramo do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) no Afeganistão, e outro foi ferido, comunicou no sábado (28) William Taylor, major-general dos EUA.

"Posso confirmar, à medida que novas informações chegam, que dois alvos altamente colocados do Daesh foram mortos, um foi ferido. Desconhecemos ter havido baixas civis", disse ele em um briefing do Pentágono.

A eliminação se seguiu ao atentado suicida de quinta-feira (26), que matou dezenas de pessoas, incluindo 13 militares dos EUA no aeroporto de Cabul, disse Taylor.

Na sexta-feira (27) Bill Urban, porta-voz do Comando Central (CENTCOM, na sigla em inglês) dos EUA, declarou que um membro do EI-K foi morto após um ataque aéreo dos EUA no leste do Afeganistão, no mesmo dia.


Fonte: Agência Sputnik

300x250px.gif
728x90px.gif