top of page

Moradores do Peró pedem melhorias em debate na Câmara

Melhorias nas vias de acesso, que possuem problemas graves como buracos e falta de sinalização turística; e maior fiscalização na orla, principalmente nos fins de semana. Estas são algumas das reivindicações que moradores, ambientalistas e veranistas da Praia do Peró, em Cabo Frio, levaram nesta quarta-feira (13/9) para a reunião na Câmara Municipal. O encontro discutiu o planejamento do verão na cidade, e contou com a presença de representantes de vários órgãos do Executivo Municipal, estadual e Ministério Público.

Foto: Sueli Palhares / Divulgação

Com 7,5 km de extensão, das Conchas ao Pontal, a Praia do Peró foi a pioneira no interior do Rio na conquista da Bandeira Azul – selo internacional de qualidade ambiental. A troca frequente de gestores na administração municipal, contudo, vem prejudicando o cumprimento dos quesitos exigidos pela

Coordenação Nacional do projeto. A comunidade também reclama da falta de diálogo com os novos gestores do projeto.


A sinalização nas vias de acesso ao Peró não existe. As poucas placas, toscas, foram feitas por um vendedor de gelo. Há muitos buracos nas vias de acesso e falta de controle sobre o comércio ilegal na praia e na Praça do Moinho, que precisa ser reformada. Como não existe a cancela prometida pela prefeitura e a fiscalização nem sempre está presente, a orla do Peró, onde é proibido o tráfego de veículos, costuma ser invadida pela “turma do rolé” (motoqueiros que empinam motos) e carros particulares, pondo em risco a segurança dos turistas hospedados nos hotéis da orla e banhistas.


"Sobre o Peró só tem elogio dos turistas que frequentam as praias. Acredito que para os moradores e comerciantes o maior desafio é a dependência da sazonalidade. Seria bom ter incentivo de eventos atrativos para todo o ano", sugeriu Álvaro do Valle, o “Coroa”, proprietário de uma loja de Açaí na

Avenida dos Pescadores.


Na Praia das Conchas, os banhistas reclamam dos animais soltos na areia e entre os quiosques, além da prática de esportes proibidos na areia. No Pontal do Peró, é frequente a invasão de quadriciclos e cavalos; o acesso não está em boas condições; e banhistas costumam fazer churrasco na área de preservação ambiental.


Ex-secretário municipal de Meio Ambiente, o biólogo Mário Flávio sugeriu que o poder público reforce suas ações na Praia do Peró, que já chegou a ter seis agentes verdes e agora não tem nenhum.


"Os critérios do programa Bandeira Azul são prejudicados quando, por exemplo, ocorre um conflito nas imediações da praia provocados por excursionistas que chegaram lá num ônibus pirata que burlou a fiscalização. É preciso maior participação do poder público, no ordenamento da praia, e participação dos quiosqueiros na limpeza nas suas áreas e na limpeza das caixas de gordura dos quiosques", sugeriu o biólogo, que agora integra o movimento Amigos do Peró.

Divulgação

Ordenamento e segurança


Durante encontro promovido pela Câmara Municipal para discutir o planejamento do verão de 2024, a Prefeitura de Cabo Frio prometeu intensificar a fiscalização para melhorar o ordenamento na Praia do Peró na próxima temporada. A promessa foi feita pelo secretário municipal de Governo de Cabo Frio, coronel Ruy França.


A Praia do Peró é a única de Cabo Frio que possui a Bandeira Azul, selo internacional de qualidade ambiental. Para garantir a manutenção do certificado, é necessário o cumprimento de vários quesitos, como a qualidade da água do mar, acessos seguros, proibição de esportes e animais na areia do trecho certificado, vias de escape e segurança.


"A fiscalização já atua no controle do comércio clandestino na orla do Peró, das Conchas ao Pontal, mas precisa ser melhorada. Também estamos cientes dos problemas da invasão de carros e motos na orla (destinada apenas a pedestres e ciclistas), dos jogos proibidos e dos cães na areia. Já existe um cronograma de ações, mas que precisa ser mais efetivo", disse o coronel ao responder às perguntas levadas pelo vereador Luiz Cláudio Gama.


Respondendo a outra pergunta do parlamentar, Marcela Santana, da secretaria municipal do Meio Ambiente, informou que a troca no comando do programa Bandeira Azul se deu devido ao pedido de exoneração da antiga coordenadora, Paloma Arias. No seu lugar, segundo ela, foi nomeada uma bióloga concursada, com vasta experiência em educação ambiental, que está dando continuidade aos projetos previstos pelo programa Bandeira Azul.


"Indicamos uma servidora competente e concursada para evitar mudanças na gestão" – afirmou Marcela.

Divulgação

Os problemas de ordenamento na Praia do Peró e na Praça do Moinho são alvos de ações do Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). No encontro na Câmara Municipal, os representantes da Prefeitura deixaram sem resposta as reivindicações dos moradores e veranistas, que pedem melhorias nos acessos, que estão com buracos e sem sinalização; reforma da Praça do Moinho; e, retorno dos “agentes verdes”, responsáveis pela educação ambiental na praia.


Os moradores do Peró elogiaram o policiamento feito pelo 25º BPM (Cabo Frio). Presente ao encontro, o comandante do batalhão, coronel Leonardo Oliveira, disse que a unidade receberá reforços de efetivo no verão e que uma base fixa será montada no Peró.


"Todas as praias têm direito a ações de ordenamento, mas o Peró, com a Bandeira Azul, exige uma atenção especial. O selo é um atrativo e por isso o destino precisa presença constante do poder público e diálogo com a comunidade", concluiu o vereador Gama.

Comentários


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page