top of page

Morre Raymundo Martins Romêo, ex-reitor da UFF, aos 82 anos


Foto: Reprodução

Ex-reitor da Universidade Federal Fluminense (UFF) e presidente benemérito da Pestalozzi de Niterói, José Raymundo Martins Romêo morreu na noite da última quinta-feira (29/12), aos 82 anos. A informação foi confirmada por amigos do ex-reitor. A causa da morte e informações sobre velório e sepultamento ainda não foram divulgadas. Ele estava internado no Complexo Hospital de Niterói (CHN) e deixa a viúva, Maria Lúcia Itabaiana Martins Romêo, um casal de filhos (Christiane e Luiz André) e a neta Rafaela.


Querido na comunidade universitária e também na Pestalozzi, José Raymundo nasceu em Niterói, no dia 15 de agosto de 1940. Graduou-se em Engenharia e Física e foi reitor da UFF duas vezes. Também ocupou o cargo de secretário de Ciências e Tecnologia de Niterói, no último governo de Jorge Roberto Silveira; e de Cultura, no governo Waldenir Bragança. Foi representante do primeiro setor no fórum local de Agenda 21 do município e também representou a Prefeitura de Niterói no Conleste.


Em 1968, foi convidado para atuar como professor do Instituto de Física da UFF. Com isso, deu o primeiro passo para consolidar sua carreira na instituição, gerando laços ainda mais fortes com a universidade. José Raymundo chegou a cargo de reitor em dois períodos distintos – 1982 a 1986 e 1990 a 1994. O professor, antes diretor do Instituto de Física, em 1975, assumiu a gestão da UFF em meio ao regime militar e a redemocratização.


À frente da universidade, deu ênfase à melhoria na qualidade do ensino, incentivando a pesquisa e promovendo um ambiente democrático dentro da instituição. Em sua primeira gestão, organizou a vinda da Orquestra Sinfônica Nacional com 90 músicos para a UFF. Foi nessa época que também surgiu o Quarteto de Cordas e o Conjunto de Música Antiga. O então criado DDC (Departamento de Difusão Cultural) passou a ser um foco de atração para a cidade com muitas programações voltadas para a comunidade.


Já em seu segundo mandato, a prioridade foi ampliar a excelência da qualidade do ensino. Foram realizados concursos que abriram 324 vagas para professores adjuntos e assistentes e 116 para titular. Além disso, José Raymundo também foi o responsável pela criação das pró-reitorias, do Núcleo de Estudos Estratégicos, atual Inest, e a Assessoria de Relações Internacionais, entre outros.


Em 2021, foi empossado como presidente benemérito da Associação Pestalozzi de Niterói, cargo que ocupava desde então. Ele, que anteriormente era vice-presidente, assumiu a presidência da instituição após Lizair Guarino precisar se afastar por motivos de saúde.

300x250px.gif
728x90px.gif