MPRJ cria canal para denúncia de abusos em ações policiais

Atualizado: 16 de mai. de 2021

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) criou um canal para receber denúncias da população contra casos de violência e abusos de autoridade cometidos durante operações policiais em comunidades da capital. O serviço funciona em plantão de 24h, para que os abusos policiais sejam denunciados de imediato às autoridades.

Reprodução

O sistema foi detalhado em reunião com a presença de representantres do Movimento Nacional dos Direitos Humanos, do Conselho Nacional dos Direitos Humanos, e dos movimentos sociais Redes da Maré, Justiça Global, Unisol, Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência e Movimento Negro Unificado.


Criado no último dia 23 de abril pelo procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, o grupo é integrado por projotores de Justiça designados pelo próprio PGJ e conta com o suporte operacional e técnico de estruturas internas do MPRJ, como a recém-criada Coordenadoria-Geral de Segurança Pública, a Coordenadoria-Geral de Promoção da Dignidade da Pessoa Humana, o Grupo de Apoio Técnico Especializado, a Coordenadoria de Segurança e Inteligência e setores de gestão da informação e processamento de dados institucionais.


O promotor Reinaldo Lomba, coordenador-geral de Segurança Pública e do Grupo Temático Temporário do MPRJ, lembrou que possíveis abusos policiais cometidos fora do contexto da operação deverão ser encaminhados à Ouvidoria do Ministério Público.


"O grande diferencial da iniciativa é permitir que um promotor de Justiça atue imediatamente para evitar ou conter eventuais violações de direitos que possam ocorrer em operações policiais. Nem todos os casos vão permitir que isso aconteça, pois por vezes é difícil para a pessoa que está denunciando ter informações que possam levar a esta ação. Mas, desde o último dia 4 de maio, temos esse canal direto de acesso para notícias de violação de direitos no curso de operações policiais e para coleta de informações complementares e registro de evidências que permitam um contato imediato com os órgãos de comando e controle das forças policiais”, disse ele.


O coordenador-geral de Segurança Pública explicou que, a partir do recebimento da denúncia, existe um protocolo de atuação, que inclui o mapeamento de instituições que possam auxiliar na tarefa de atendimento das demandas. O fluxo prevê a elaboração de um relatório preliminar, com a verificação de dados da operação policial, que é encaminhado ao promotor natural e alimentará o banco de dados do MPRJ.


Fonte: Agência Brasil

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg