top of page

Niterói perde Sílvia Tani e decreta luto de três dias

A notícia do falecimento da jornalista e professora Sílvia Tani deixou a cidade triste nesta terça-feira (9/1). Natural de Bom Jesus do Itabapoana, ela era diretora do Jornal Santa Rosa, do qual foi fundadora, em 1978, junto com o marido Tácito Tani, já falecido, e o jornalista Oriovaldo Rangel.

O prefeito Axel Grael expressou profundo pesar e decretou luto de três dias. Axel destacou que Sílvia Tani era muito admirada na cidade e tinha como marca a maneira carinhosa e solidária com que tratava as pessoas.


“Foi com grande tristeza que recebi a notícia do falecimento de Sílvia Tani, uma jornalista querida, respeitada e admirada por todos. Sílvia era uma comunicadora habilidosa e deixou sua marca na cidade, tendo sido a fundadora do Jornal Santa Rosa. Meus sentimentos aos familiares e amigos da querida Sílvia Tani”, afirmou Axel Grael.


O vice-Prefeito, Paulo Bagueira, enfatizou que Sílvia sempre foi uma grande parceira e amiga.

"O jornal Santa Rosa estampava sempre paixão por Niterói", completou Bagueira.


Sílvia Tani se aposentou como professora no município antes de fundar o Jornal Santa Rosa. O velório e o sepultamento ocorreram nesta quarta-feira (10/1), no cemitério Parque da Colina, em Pendotiba.


"Uma guerreira no jornalismo e na vida"

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro lamentou a morte da professora e jornalista.


"Silvia, nesta sua trajetória de vida e no jornalismo, deixou um legado e marcas de sua generosidade, sua elegância e empatia. Conquistava leitores, a sociedade, amigos, por fazer um jornal voltado para os interesses da população e da sociedade", diz o texto.


A nota menciona ainda que Silvia Tani teve que superar um grande baque na vida, com a trágica morte de seu único filho Júlio Cesar.


O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, Mario Sousa, ao lamentar a perda da amiga, ressaltou que Sílvia fazia com dignidade um jornalismo informativo e crítico voltado para Niterói.


"Ela era uma guerreira no jornalismo e na vida", finaliza.

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page