top of page

Niterói sedia debate sobre prevenção e gestão de desastres

Começou nesta quinta (6/7) a segunda edição do evento 'Reflexões sobre o futuro das cidades'. Sediado em Niterói neste ano e promovido pela Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), o encontro, que tem como objetivo debater políticas de prevenção e gestão de desastres das cidades, se encerra hoje (7/7, sexta-feira).

Foto: Luciana Carneiro / Prefeitura de Niterói

O prefeito de Niterói e vice-presidente de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da FNP, Axel Grael, abriu o evento falando sobre a importância de planejar de forma integrada as ações dos municípios e ressaltou que, desde 2013, Niterói já investiu 600 milhões em obras de contenção de encostas. Atualmente são 70 obras deste tipo em andamento na cidade.


“A gente tem de buscar alternativas, buscar formas de planejar e ter a nossa atuação solidária entre os municípios de uma forma regionalizada, que atenda as características de cada cidade. É uma honra receber todos aqui no ano em que nós estamos comemorando o aniversário de 450 anos da cidade. Ao longo desse período, a cidade se desenvolveu entre as montanhas e o mar e essa característica gera uma série de riscos climáticos, que teve no passado vários episódios de deslizamento de encostas, problemas de inundação, e em alguns desses episódios, inclusive, custando a vida de vários niteroienses. Em 2010, por exemplo, tivemos o episódio que ficou conhecido como o Morro do Bumba, e que, na verdade, não afetou só o Morro do Bumba, mas afetou várias partes da cidade. Naquele momento a Defesa Civil praticamente não existia. A partir de 2013, nós começamos a estruturar melhor a Defesa Civil da cidade e, hoje, para nosso orgulho, nós temos uma das melhores Defesas Civis”, afirmou o prefeito.


Em um recorte de 2000 a 2018, foram 6,4 milhões de desabrigados ou desalojados no Brasil, segundo informações do Governo Federal. Em outro extremo climático, a seca que atingiu o semiárido brasileiro, de 2012 a 2017, afetou 23 milhões de pessoas em 600 cidades, sendo considerada a pior dos últimos cem anos. No Rio Grande do Sul, a estiagem de 2023 atinge 70% do estado e estima-se que as perdas na agricultura e pecuária superem os R$ 12 bilhões, sem falar das perdas envolvendo enchentes e/ou outros fenômenos climáticos sazonais.

Foto: Luciana Carneiro / Prefeitura de Niterói

De acordo com Renata Sene, vice-presidente de Parcerias em ODS da FNP, uma pesquisa realizada pelo grupo agregou 58% dos municípios do Brasil e apontou alguns dos maiores desafios em resiliência.


“Os desafios apontados nessa pesquisa foram a baixa capacitação das equipes nessa temática, a ausência de informações atualizadas, falta de dados climáticos, falta de apoio na exposição da vulnerabilidade, falta de dados na disposição da vulnerabilidade de desastre, ausência de planejamento integrado entre as secretarias municipais, pouco recurso para implementação e número reduzido de equipes. Essa pesquisa também trouxe outros instrumentos importantes de gestão em relação à resiliência, como a importância de integração dos municipais em relação a essa temática, mapeamento de riscos e seus índices e a integração com institutos de ensino”, declarou a vice-presidente.


No fim desta primeira tarde de evento, os participantes visitaram o Parque da Cidade, em São Francisco, para conhecer o novo radar meteorológico Banda X, instalado pela Prefeitura de Niterói em março. O equipamento é ultramoderno e possui cobertura com raio de 100 km que permite que a cidade e os municípios vizinhos que estão dentro da área de abrangência, realizem o monitoramento meteorológico em tempo real.

Divulgação / Prefeitura de Niterói

O Radar Banda X é fabricado na Alemanha, conta com um alcance de 100 km de raio, com alta resolução e sensibilidade que possibilita configurações conforme as aplicações específicas da Defesa Civil, que permite análise da quantidade de chuvas em até 18 km de altitude e que mostra todo o fenômeno da densidade de chuvas na atmosfera.


“O Parque da Cidade faz parte do Parque Natural Municipal de Niterói e é um lugar onde você tem a possibilidade de visualizar quase toda a cidade. Daqui é possível ver vários investimentos importantes em resiliência também. Um importante investimento que nós fizemos foi a aquisição e implantação de um radar meteorológico com Banda-X, que hoje ajuda muito em todo o trabalho de prevenção, de preparação de Niterói para situações de chegada de chuvas mais intensas aqui na cidade”, ressaltou o prefeito.


O secretário de Defesa Civil de Niterói, Wallace Medeiros, explicou que o radar é um instrumento essencial na preparação da cidade para fortes chuvas e no monitoramento das tempestades que se aproximam do município.


“Esse equipamento nos permite com uma antecipação de 30 minutos em determinados momentos. Faz toda a diferença pois podemos imaginar o cenário futuro e logo começar toda uma programação preventiva que é necessária: avisar à população com antecedência, falar o que tem que ser feito para que todos se preparem, eventualmente não saindo de casa, permanecendo onde está. E esse é um instrumento destinado a resolver transtornos municipais, mas também para salvar vidas”, falou o secretário.


A programação do evento para essa sexta (7/7) engloba uma manhã inteira de debates e a composição da nova diretoria da Comissão Permanente da FNP de Cidades Atingidas ou Sujeitas a Desastres. O encerramento está marcado para o meio-dia.


Fonte: Coordenadoria Geral de Comunicação da Prefeitura de Niterói

Comments


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page