top of page

Niterói Solidária promove encontro com Organizações Sociais

Na tarde da última quarta-feira (13/9), a Prefeitura de Niterói promoveu um encontro com as Organizações Sociais que participam do programa Niterói Solidária. O evento teve como objetivo acolher as 45 instituições aprovadas no edital de chamamento público, finalizado em agosto deste ano. A cerimônia contou com a presença da secretária de Direitos Humanos e Cidadania de Niterói, Nadine Borges, da primeira-dama e coordenadora voluntária do programa, Christa Vogel Grael, da coordenadora de planejamento e projetos da Subsecretaria de Igualdade Racial, Michele Guimarães, do coordenador legislativo no Ministério da Justiça, Raphael Costa, do vereador Jonathan Anjos, do presidente da comissão de terceiro setor da OAB Niterói, Rodolfo Rodrigues, e da representante das Instituições Sociais, Irmã Irenita de Medeiros.

Foto: Bruno Eduardo Alves / Prefeitura de Niterói

A secretária Nadine Borges chamou a atenção para a criação da Niterói Solidária, no período mais crítico da pandemia.


“O Niterói Solidária é um programa idealizado durante a pandemia. Naquele momento, nos postos de saúde, ao se vacinar, as pessoas podiam receber alimentos. Isso fez muita diferença na vida das pessoas. Para uma pessoa que tem fome, um quilo de feijão, um quilo de arroz – que para quem doa pode não ser muito – faz muita diferença! Não existe nada pior do que fome”, disse.


A coordenadora voluntária do Niterói Solidária e primeira-dama da cidade, Christa Vogel Grael, faltou da expectativa para a continuação do programa.


"A nossa expectativa é que a gente consiga, como no passado, arrecadar alimentos como a gente tem feito desde a época da pandemia. A gente não parou porque sabe da importância desse programa e sabe o quanto que vocês precisam das doações para ajudar o público que vocês atendem. Nós chegamos a praticamente 80 toneladas de alimentos arrecadados”.


De acordo com Christa, além das doações, é importante que as instituições sejam capacitadas para que tenham outras formas de colaboração.


“Eu me coloco no lugar de vocês. Eu tenho a experiência de tocar uma instituição no terceiro setor por 13 anos e tive muita dificuldade no começo. Então, quero dividir tudo que eu senti de dificuldade para ter uma instituição profissionalizada e ajudar as organizações sociais da cidade. É muito difícil o trabalho do terceiro setor. Temos dificuldade em captar recursos, dificuldade com sede, com prestação de contas... Então percebi, na minha experiência, que a gente tem que, além de capacitar as instituições, ajudá-las a entender, por exemplo, como participar de um edital, como ter a documentação completa. Pelo programa Niterói Cidadã, já tivemos dois módulos de capacitação, um mais teórico e outro mais prático”.


Responsável pela instituição Sagrada Família, no bairro do Fonseca, a Irmã Irenita de Medeiros, ressaltou que, nos últimos anos, o poder público tem valorizado o terceiro setor.


“Nós estamos há tantos anos desenvolvendo as nossas atividades de promoção humana, de promoção da vida, sabemos o quão é importante. É preciso que o poder público tenha este olhar para as organizações não governamentais, para o terceiro setor organizado na sociedade. E, graças a Deus, nas últimas gestões do poder público desta cidade, a gente vem percebendo este olhar de valorização”, declarou a Irmã.


A Campanha Niterói Solidária foi lançada em 2021, com o objetivo de ajudar famílias que não foram atendidas pelos programas sociais da Prefeitura de Niterói e que se encontravam em situação de vulnerabilidade. Desde então, a corrente de solidariedade não parou mais, com alimentos e produtos de higiene entregues em diversas regiões da cidade por intermédio das instituições cadastradas por chamamento público.


Fonte: Coordenadoria Geral de Comunicação da Prefeitura de Niterói


תגובות


Divulgação venda livro darcy.png
Chamada Sons da Rússia5.jpg
bottom of page