Nova cepa: saiba quem deve continuar usando máscaras


(Foto: Raquel Portugal/Fiocruz)

Ao menos dez estados e o Distrito Federal (DF) já flexibilizaram o uso de máscaras contra a covid-19 em locais fechados, mas especialistas defendem que alguns grupos devem seguir usando o item de proteção.

O médico intensivista Rodrigo Bresani afirma que a liberação do uso das máscaras só foi possível pelo avanço da vacinação no Brasil. Ele alerta, no entanto, que mesmo com uma boa parcela da sociedade vacinada, inclusive com a segunda dose, é preciso avaliar os casos de forma individual.

“Para alguns grupos de risco, principalmente pacientes idosos, imunossuprimidos por diversos motivos, pacientes oncológicos, ou com doenças crônicas, a gente precisa ficar muito atento. Independentemente dessa nova norma [que libera o uso em locais fechados], a orientação para esses pacientes é, obviamente, continuar se cuidando”, afirma Bresani.

O médico explica ainda que o uso do item de proteção é fundamental para quem, por exemplo, tem algum familiar com doença crônica ou idoso porque, caso não se proteja, estará colocando esse familiar em risco.

“Esses pacientes, sem sombra de dúvidas, devem continuar se protegendo. Isso, claro, supondo que eles estão já vacinados, com segunda, terceira dose, mas devem continuar fazendo o uso de máscaras em ambientes fechados e também abertos. Esse cuidado deve se perpetuar nesse próximo ano e principalmente agora, que estamos enxergando um aumento do número de casos e mortes na Europa, por causa de uma nova cepa. E isso aparentemente já vem chegando ao Brasil, então a gente tem que estar atento”, reforça Bresani.

Pessoas com comorbidades, além daqueles que ainda não tomaram a vacina contra a covid-19, devem seguir usando máscaras. Entre as comorbidades estão hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.

Os imunossuprimidos são aqueles que possuem alguma doença que afeta o sistema imunológico, diminuindo sua capacidade de resposta, como é o caso de portadores de câncer, HIV, transplantados e outros.

Infecções

Na quarta-feira (16), a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas),da Organização Mundial da Saúde (OMS), alertou que o aumento de infecções por covid-19 em várias partes do mundo é um aviso para as Américas de que o vírus não está sob controle, apesar da diminuição de casos na região. Os casos aumentaram 28,9%, na semana passada, no Pacífico Ocidental (que inclui a China); 12,3% na África e 2% na Europa, comparado à semana anterior.

Na Europa, metade dos países também teve aumento no número de infectados na semana passada, segundo dados do Centro de Recursos sobre o Coronavírus Johns Hopkins, nos EUA. Na Finlândia, o crescimento foi de 84%, com 62,5 mil novos casos registrados no período. Na Suíça e no Reino Unido a elevação também foi expressiva: 45% (182.190) e 31% (414.480), respectivamente. Na França, em 15 de março, a média diária de novas infecções pulou para 66.460, comparado a 50.215 dos sete dias anteriores. Áustria, Bélgica, Alemanha e Itália também apresentam percentuais crescentes. No continente, a subvariante BA.2 está se disseminando rapidamente.


Com Agência Brasil

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg