Obituário: Apio Gomes, jornalista, aos 79 anos

Atualizado: 20 de ago.


Apio Gomes no lançamento do livro sobre Brizola que organizou junto com Osvaldo Maneschy

Morreu na manhã desta sexta-feira (19), aos 79 anos, o jornalista Apio Gomes, em Maricá, região metropolitana do Rio. Ápio era editor assistente do jornal TODA PALAVRA desde o seu lançamento, há seis anos, e militante socialista, filiado ao PDT desde 1981, tendo desempenhado papéis de destaque nos dois governos de Leonel Brizola no Estado do Rio.

Apio fez parte de um grupo de jornalistas e personalidades notórias do trabalhismo brasileiro. Foi Chefe de Gabinete de Wagner Teixeira na Riotur em 1986. Depois se tornou revisor dos “Tijolaços”, escritos por Brizola com ajuda de Fernando Brito ao longo de quase 20 anos. Já no segundo governo Brizola, Apio integrou a Secretaria de Imprensa do Governo.

Nos últimos anos, Apio se dedicava à organização de vasto material deixado por Brizola, entre artigos, entrevistas e os próprios Tijolaços. Ao lado de Osvaldo Maneschy, organizou o livro “Leonel Brizola - A Legalidade e outros pensamentos conclusivos”, publicado em 2011 pela editora Nitpress. Em seu último trabalho, mergulhou com o afinco e competência – que lhe eram marcas – no Centro de Memória Trabalhista, onde catalogou e reuniu todos os Tijolaços de Brizola. O trabalho culminou com o especial dos Cadernos Trabalhistas dedicado aos textos de Brizola. Outrtos dois livros de Tijolaços estão no prelo para serem publicados pelo Centro de Memória do PDT.

Apio completaria 80 anos em outubro próximo. Faleceu em casa, ao lado da esposa Jacira. Deixa dois filhos, Lucas e Felipe.

O velório de Apio Gomes acontece no cemitério Jardim da Saudade, Sulacap, neste sábado (20/8), a partir das 10 horas da manhã, na capela 06. O sepultamento está marcado para às 14h15m.

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif