Ocupação de favelas no RJ causa reações nas redes

Atualizado: 20 de jan.

O 'Cidade Integrada', o novo projeto de ocupação de comunidades do governo estadual do Rio de Janeiro, começou nesta quarta-feira (19/1). A comunidade do Jacarezinho, na zona norte da região metropolitana do Rio, foi ocupada na manhã de hoje por 1.200 policiais. Até o fim da tarde, outras favelas também receberão ações semelhantes, como parte do 'Cidade Integrada'.

Foto: Bruno Itan / Voz das Comunidades

A iniciativa está sendo prometida como uma versão reformulada das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP), criadas em 2008. As operações também aconteceram em áreas dominadas pela milícia, como em Muzema, na zona oeste. O governo do Rio de Janeiro ainda não deu detalhes do projeto. Uma entrevista coletiva no sábado (22/1) foi convocada para a divulgação e explicação das ações.


De acordo com o G1, além de ações para as populações vulneráveis, haverá investimentos em segurança e obras de infraestrutura social, como em escolas e parques. A Polícia Militar abriu cotação para instalar no Jacarezinho câmeras de reconhecimento facial. Termo de referência prevê 22 câmeras e central de monitoramento na Cidade da Polícia.


A repercussão da ação


Desde o início da manhã de hoje (19/1), internautas nas redes sociais estão repercutindo as ações da polícia nas favelas do Rio de Janeiro. Como há poucas informações até agora sobre as operações, que foram "mantidas em segredo" para resguardar a efetividade das incursões policiais, há muita especulação sobre o assunto, e poucas respostas.


Hoje, Estado do Rio de Janeiro ocupa o Jacarezinho, como parte do programa Cidade Integrada. O que é esse programa? Ninguém sabe. Objetivos, metas, meios, nada disso é conhecido. Reciclagem desesperada das UPPs, em ano eleitoral e sem qualquer transparência e participação social.


— wallace corbo (@wallacecorbo) January 19, 2022


A surpresa com o tamanho e as ambições da operação foi apontada por diversas pessoas. Nem mesmo o prefeito da cidade tinha conhecimento sobre os eventos, o que foi confirmado por Eduardo Paes.


"Cidade integrada", a nova UPP, começou a ser implantada no Rio. 14 anos depois das UPPs, as mesmas "soluções" - e erros! Já começa com mentiras e sem diálogo! Cláudio Castro disse que está negociando serviços com a prefeitura. Eduardo Paes disse que não estava sabendo de nada 👇🏾 https://t.co/Gt4yB6HId9


— Cecília Olliveira (@Cecillia) January 19, 2022


A plataforma Fogo Cruzado, por exemplo, questionou os parâmetros de escolha das comunidades que receberiam operações.


Como se escolhe os parâmetros? Não é possível saber. Jacarezinho, que integra a 1ª fase do programa #CidadeIntegrada, não foi o bairro do Rio mais afetado pela violência armada no último ano. A favela ficou em 64º lugar em número de tiroteios, com 20 registros. Dados @fogocruzado


— Instituto Fogo Cruzado (@fogocruzado) January 19, 2022


A vereadora carioca, Renata Souza, relatou abusos da polícia durante a operação.


O dia começou com o mega operação policial na favela do Jacarezinho com mais de 1000 agentes do território. O programa “Cidade Integrada“ de Cláudio Castro parece repetir a falida lógica das UPPs. Moradores relatam que tiveram suas casas invadidas e o clima é de tensão 👇🏾


— Renata Souza (@renatasouzario) January 19, 2022


Outros internautas falaram sobre as semelhanças com o programa das UPPs, cujo resultado não foi a redução da violência nas favelas e tampouco o combate ao tráfico.


A história se repete, primeiro como tragédia, segundo como farsa. Anos depois da derrocada das UPPs, governo lança o Cidade Integrada, inspirado na política fracassada. Repetem o erro das UPPs: Sem articulação setorial e, principalmente, sem diálogo com os moradores.


— Pablo Nunes (@pblnns) January 19, 2022

Ganhe_Ate_300x250px.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg
Aumentou_728x90px.gif