OMS: pior da pandemia ainda não chegou ao Brasil


Hospital de campanha de Belém (PA) em construção

O diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, afirmou que o pior da pandemia provocada pelo novo coronavírus ainda não chegou ao Brasil. Segundo Ryan, o Brasil, juntamente com outros países da América do Sul, ainda não conseguiu controlar o avanço da infecção e o país está entre os que registram os maiores aumentos diários nos registros de casos da Covid-19.

“Claramente a situação em alguns países sul-americanos está longe da estabilidade. Houve um crescimento rápido dos casos e os sistemas de saúde estão sob pressão", disse Ryan, segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo. Segundo ele, o pico do contágio ainda não chegou, "e no momento não é possível prever quando chegará”.

O Brasil é atualmente o segundo país com maior número de casos da Covid-19 registrados no mundo, atrás apenas dos EUA, e é o quarto em número de mortes, depois dos EUA, Reino Unido e Itália.

Sem citar explicitamente o governo Jair Bolsonaro - que já criticou abertamente a OMS por defender o confinamento social -, Ryan citou que nas Américas “houve respostas diferentes entre os países, e há bons exemplos de governos que adotaram abordagens científicas, enquanto em outros países vemos uma ausência ou uma fraqueza nisso”, afirmou.

300x250_QuatroRodas.gif
728x90_PorqueArCondicionado.gif
Toda Palavra 076 - p 4-5.jpg

Leia a versão digital da edição impressa do TP