Operação apreende balsa da invasão a território Xipaia

Atualizado: 18 de abr.


(Foto: Ascom/PF)

Uma operação conjunta de vários órgãos federais apreendeu ainda no sábado (16) a balsa de garimpeiros que invadiram o território indígena Xipaia, no Pará, informou o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Foram necessárias varreduras de lancha nos rios e igarapés da região para encontrar a embarcação atracada sob a copa das árvores. Cinco adultos e dois adolescentes encontravam-se a bordo. Os menores foram apreendidos e estão sob cuidados da Justiça, informou o ministério. As demais pessoas prestaram esclarecimentos na delegacia da PF em Itaituba (PA).

Equipes da Polícia Federal (PF) e da Força Nacional haviam sido mobilizadas na região ainda na sexta-feira (17), quando o MJSP recebeu informações sobre a entrada ilegal de supostos garimpeiros por meio fluvial. O efetivo foi deslocado de avião até a aldeia Karimã para reforçar a segurança da tribo, sob a suspeita de que os garimpeiros estariam armados.

De acordo com o delegado da PF Paulo Teixeira, chefe do Serviço de Repressão a Crimes Contra Comunidades Indígenas, “a balsa apreendida não será destruída". "Nós vamos adotar os procedimentos legais para que o equipamento seja destinado a ações de fiscalização ambiental do ICMBio”, disse ele, em nota do MJSP.

Deflagrada em março para combater o garimpo ilegal em terras indígenas, a operação Guardião da Floresta, coordenada pela pasta, conta com a colaboração da PF, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), da Força Nacional, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Denúncia

Em vídeo divulgado nas redes sociais, a cacica Juma Xipaia pediu socorro e relatou que uma balsa de garimpo ilegal desceu o Rio Iriri em direção à reserva. Os ataques teriam ocorrido na quinta-feira (14).

A cacica temia que o encontro entre os guerreiros das aldeias xipaias com os invasores pudessem terminar em um banho de sangue. "Guerreiros das outras aldeias estão descendo com o objetivo de tentar um diálogo, para que eles [os invasores] saiam do território, mas nós estamos com medo”, relatou, descrevendo que os invasores chegaram em uma balsa de dois andares e carregada com grande quantidade de "equipamentos pesados".

Juma Xipaia também acionou o Ministério Público Federal, a Funai e outros órgãos de segurança para que reprimissem os invasores.

"Não são quaisquer garimpeirozinhos, não. São potentes. Então, a gente pede agilidade e apoio das autoridades e órgãos de Justiça, para que encontrem esses garimpeiros, porque a gente não sabe se eles vão voltar, que tipo de armas eles têm… não sabemos sequer onde eles estão agora", disse Juma em outro vídeo publicado em sua rede social.

300x250px.gif
728x90px.gif