Os números do Caged e a morte da verdade

Por Brizola Neto*

“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade.“ A frase, de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolf Hitler, parece também ser o mantra do governo Bolsonaro.


A verdade, primeira vítima das guerras, acaba de tombar nos gabinetes do Ministério da Economia, diante de uma absurda comemoração de números estapafúrdios sobre a abertura de novas vagas de trabalho no epicentro mundial da pandemia de coronavírus, só compatíveis em um cenário de pleno emprego.


O governo bateu bumbo para dados do CAGED, dando conta da criação de 401.639 vagas de emprego com carteira assinada no mês de fevereiro, no que seria o segundo mês consecutivo de recorde positivo de toda a série histórica (janeiro também teria registrado um saldo de 258.141 entre demissões e novas admissões).


Qual a verossimilhança dessas informações com os números do IBGE, que, pela primeira vez em sua série histórica, registrou dois semestres seguidos com o nível da ocupação abaixo dos 50% - 48% no trimestre encerrado em outubro de 2020 e 48,7% no trimestre encerrado em janeiro de 2021, o que significa dizer que mais da metade dos brasileiros em idade de trabalhar encontram-se hoje sem nenhuma ocupação.


O próprio governo federal admite que teremos retração da atividade econômica no primeiro trimestre de 2021.


Como, enfim, se deu o “milagre” da multiplicação dos empregos no início deste ano?

Primeiro, não se pode falar em recorde na série histórica, já que o Ministério da Economia mudou a metodologia de coleta de dados do CAGED no início de 2020 com a implementação do sistema de escrituração eSocial e tornou obrigatória a informação dos contratos temporários e intermitentes.

Outra distorção foi a inclusão de admissões no setor público feita por algumas unidades da federação já neste mês de fevereiro, quando as próprias notas explicativas do ME sobre a nova metodologia previam esta inclusão somente para o segundo semestre deste ano.


Se não bastassem as notificações excessivas nas admissões, há neste momento uma subnotificação nas demissões, pois muitas empresas estão encerrando suas atividades, abatidas pela crise econômica, e simplesmente deixam de prestar essas informações para o ME.


Vale a pena, por fim, observar a enorme discrepância entre os dados divulgados pelo CAGED e a PNAD Contínua - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios feita pelo IBGE. De acordo com a PNAD Contínua, a taxa de desemprego registrada no trimestre encerrado em janeiro, de 14,2% (14,272 milhões de trabalhadores fora do mercado de trabalho), é a mais alta para o período desde o início da série histórica, em 2012.


Este número fica ainda mais dramático quando são considerados os trabalhadores desalentados, que deixaram de procurar emprego e hoje somam 5,902 milhões de brasileiros, além dos subocupados por insuficiência de horas trabalhadas, que totalizam mais 6,797 milhões de trabalhadores, e dos 76,377 milhões fora da força de trabalho.


O negacionismo, como está claro, prevalece na economia assim como na saúde, e é o réquiem da Verdade, mais uma das centenas de milhares de vítimas no Brasil de Bolsonaro.

*Brizola Neto é ex-Ministro do Trabalho e Coordenador de Emprego e Renda da Prefeitura de Niterói

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg