Oxford retoma testes clínicos para vacina contra Covid


(Robson Valverde/Lascen)

Os ensaios clínicos britânicos da vacina contra o coronavírus da farmacêutica AstraZeneca e da Universidade de Oxford foram retomados após confirmação pela Autoridade Reguladora da Saúde e dos Medicamentos (MHRA, na sigla em inglês) que era seguro fazê-lo.

A gigante farmacêutica AstraZeneca informou neste sábado que retomou os ensaios da vacina contra a Covid-19 depois de obter autorização dos reguladores britânicos, após uma pausa causada por um voluntário britânico ter adoecido.

"Os testes clínicos da vacina contra o coronavírus da AstraZeneca e Oxford, AZD1222, foram retomados no Reino Unido após confirmação pela Autoridade Reguladora da Saúde e dos Medicamentos (MHRA) que era seguro fazê-lo", lê-se em comunicado da companhia.

AstraZeneca tinha anunciado na quarta-feira (9) que "suspendeu voluntariamente" seu ensaio da vacina depois de o voluntário desenvolver uma doença inexplicável.

Na sequência disso foi criado um comitê independente para rever a segurança da vacina, o que a empresa e a Organização Mundial da Saúde descreveram como um passo de rotina.

A vacina desenvolvida pela referida companhia junto com a Universidade de Oxford é uma das nove em todo o mundo que está no final da fase 3 de ensaios em humanos.

Um voluntário dos testes clínicos da vacina contra a Covid-19 da Universidade de Oxford e da farmacêutica AstraZeneca revelou ao Daily Mail que sofreu diversos efeitos adversos, como febre, calafrios, dor de cabeça e fadiga, 14 horas depois de ser vacinado.

Posteriormente, foi revelado que uma rara doença neurológica chamada mielite transversa, que consiste na inflamação de uma seção da medula espinhal, seria a responsável pela paralisação dos testes.

A vacina da AstraZeneca entrou em sua terceira fase de ensaios nos EUA em agosto. Os testes das duas primeiras fases decorreram no Reino Unido, Brasil e África do Sul.

Diretor-geral do RFPI comenta retomada

Por sua vez Kirill Dmitriev, o diretor-geral do Fundo Russo de Investimento Direto (RFPI, na sigla em russo), comentou a retoma dos testes da vacina da AstraZeneca.

"Estamos satisfeitos que a AstraZeneca retomou seus ensaios e continua avançando. Ao mesmo tempo, a suspenção dos ensaios mostrou claramente a ideia errônea da abordagem em que países inteiros se focam exclusivamente em plataformas novas e não testadas na hora de escolher uma vacina, seja o vetor de adenovírus do macaco ou a tecnologia mRNA. Temos repetidamente falado sobre os riscos potenciais que as novas tecnologias podem representar, bem como sobre a existência de uma plataforma comprovada baseada em vetores de adenovírus humanos que demonstrou sua eficácia e segurança", afirmou.

"Além disso, nos EUA e na Europa Ocidental as plataformas comprovadas e seguras baseadas em vetores adenovirais humanos representam apenas 15% do volume total de aquisições de vacinas. Esta situação coloca em questão a correção da abordagem de um certo número de empresas farmacêuticas, que transferem completamente os riscos das vacinas adquiridas para os países compradores. Rússia não vai seguir essa abordagem porque vê a segurança e eficácia da plataforma de adenovírus humano, incluindo a vacina Sputnik V", concluiu Kirill Dmitriev.


Fonte: Agência Sputnik


Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg