Pacientes de câncer de mama celebram a vida em fotos

“Quem tem medo de câncer? Aqui ninguém tem”. Essa é a exposição que reúne fotos de pacientes de câncer de mama da PróOnco Mulher para trazer um novo olhar do centro oncológico: ao invés de um espaço de doença, um lugar de cura, vida, diversidade e informação. Um exemplo é a foto de um homem que passou pelo tratamento, desmistificando que tumores de mama são exclusivos às mulheres. Inaugurada na última segunda-feira (1/11), a mostra pode ser vista até 15 de dezembro, de segunda a sexta-feira das 9h às 17h, na unidade Oncomed de São Francisco (Rua Araribóia, 6). O ingresso é um quilo de alimento não perecível.

Paineis contam um pouco da história dos pacientes / Foto: Pablo Rocha, Divulgação

"A exposição é uma das novidades do nosso Outubro Rosa, que chega à sua quinta edição se consolidando como um evento tradicional que movimenta a cidade de Niterói para alertar sobre a importância da conscientização do câncer de mama", diz o mastologista Rodrigo Souto, diretor da PróOnco Mulher que promove o evento em parceria com a Oncomed e a Liga Fluminense Contra o Câncer, e que também é médico de todos que participam da mostra.


Ao todo, a exposição reúne fotografias de 15 pacientes em painéis que registram o resumo da vivência de cada um. Quatro deles estão em tratamento adjuvante e os demais já curados, em acompanhamento, como o estofador de móveis Rafael Lopes, 70 anos, que descobriu o tumor na mama há um ano.


“Foi durante um jogo do Flamengo em novembro do ano passado. Eu estava em casa sem camisa e sem querer bati a mão no peito e senti o tumor. Na verdade, foi a mão de Deus”, diz emocionado Rafael, que tem histórico de câncer de mama na família: duas irmãs, duas sobrinhas e a filha Lilia, operada em 2018, aos 38 anos, que também está na exposição e ajudou a custear o tratamento do pai.


"Tudo aconteceu muito rápido, o que permitiu a minha cura. Se eu tivesse que esperar nem sei como estaria agora. Precisamos entender a importância de se cuidar, se precaver, não deixar de ir ao médico. Principalmente nós homens, que achamos que somos fortes. Mas as doenças aparecem. Aparecem em qualquer um, em todo mundo. Não só o câncer de mama, mas de próstata e outros males. E depois que passamos por uma doença assim vemos o mundo de outra forma. Ficamos muito mais sensíveis, dando mais valor à vida", ressalta Rafael.

Rafael, a filha Lília e o mastologista mastologista Rodrigo Souto / Foto: Pablo Rocha, Divulgação

Para o Outubro Rosa deste ano, a PróOnco adotou como slogan “Existem dias pinks para quem já teve dias punks!”, com uma programação de palestras, cultura e depoimentos comoventes de pessoas que superaram o câncer de mama. A importância da nutrição no tratamento; os direitos dos pacientes oncológicos; e a autoestima foram alguns dos temas tratados nesta edição, que ofereceu também atividades como as de teatro e yoga, além de uma série de atendimentos gratuitos.


"Buscamos proporcionar uma programação repleta de atividades educacionais para conscientizar os pacientes da necessidade do autocuidado, da importância do diagnóstico precoce. Mas fizemos isso com muita leveza, com mensagens de esperança na cura e em dias alegres e emocionantes para os que enfrentam o câncer", avalia Rodrigo Souto.

Comemorando a cura / Foto: Pablo Rocha, Divulgação

Dados do câncer de mama


Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a estimativa para 2021 é a de que sejam registrados no país quase 67 mil novos casos de câncer, aproximadamente 43,74 casos por 100 mil mulheres (INCA, 2020). Pelas pesquisas, o câncer de mama é o que mais ocorre em mulheres dentro do território nacional, com taxas maiores em áreas desenvolvidas (Sul e Sudeste) e menores na Região Norte.

300x250px.gif
728x90px.gif