Pesquisa: rejeição a Bolsonaro cresce e Lula venceria 1º turno


(Reprodução)

Uma pesquisa das eleições presidenciais de 2022 , realizada pela Quaest Consultoria e encomendada pela Genial Investimentos, apontou um cenário eleitoral bem desfavorável para o presidente Jair Bolsonaro: um crescimento na sua avaliação negativa, uma diminuição na procura por nomes de 'terceira via' e a possibilidade do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) vencer o pleito ainda no primeiro turno.

De acordo com o levantamento, caiu de 31% para 25% o contingente de eleitores que citam “nem Lula nem Bolsonaro” como preferência para 2022.

“A incapacidade política de articulação de uma terceira via está consolidando a polarização”, expõe o cientista político Felipe Nunes, diretor da Quaest - citado pelo Valor Econômico -, ao dizer, ainda, que, no atual cenário, ‘’ninguém tira voto de Lula nem de Bolsonaro’’.

A pesquisa mostra que, se o primeiro turno da eleição fosse hoje, o ex-presidente Lula receberia 47% dos votos, contra 26% de Bolsonaro, 9% de Ciro Gomes (PDT), e 6% de João Doria (PSDB. Uma projeção para o segundo turno aponta Lula com 55% e Bolsonaro 30%.

A Quaest ouviu 2.000 eleitores entre os dias 26 e 29 de agosto, o que resulta numa margem de erro de dois pontos. A metodologia de coleta foi de entrevistas face a face feitas em domicílios.

Rejeição

A condução do Brasil é reprovada por 48% dos entrevistados - número que cresceu 4 pontos percentuais em apenas um mês. Sua avaliação positiva, porém, encolheu nos últimos trinta dias e passou de 26% para 24%. As regiões Nordeste, Sudeste e Sul foram as que apresentaram maior crescimento na rejeição ao mandatário.

Os dados da pesquisa mostram também o quadro de rejeição dos nomes que surgem como pré-candidatos ao Palácio do Planalto. Segundo os números do levantamento, o presidente Bolsonaro apresenta o mais alto índice de rejeição: 62% dizem que conhecem o presidente e não votariam nele.

Entre os eleitores, 40% dizem que o conhecem e não voltam no petista, Doria tem 57% de rejeição; Ciro, 53%; Datena, 46%; e Mandetta, 41%. Pacheco, Tebet e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), têm taxas menores que as de Lula nesse quesito. Mas todos são desconhecidos por 60% do eleitorado ou mais.

Lula

Em relação ao ex-presidente Lula, o petista lidera as pesquisas no voto espontâneo - quando não se apresenta os nomes dos candidatos - com 23% das intenções de voto. Bolsonaro aparece com 15% e Ciro Gomes (PDT) registraria 1% dos votos. O número de indecisos chegou a 58%.

A pesquisa aproveitou para perguntar aos participantes "quem eles preferem que vença as eleições de 2022". Lula obteve 45% das respostas, um aumento de 3% em relação ao último mês. Bolsonaro percorreu caminho inverso e obteve 23% da preferência, uma diminuição de 3% nos últimos trinta dias.

O levantamento também questionou os eleitores sobre o desconhecimento dos possíveis nomes da terceira via. A senadora Simone Tebet (MDB-MS) é anônima para 80% dos entrevistados; seguido pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e pelo presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ambos com 60% de desconhecimento; Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) não é conhecido por 43% dos participantes; Doria e Datena (PSL-SP) possuem 19% e 18% de anonimato.


Com o IG

300x250px.gif
728x90px.gif