Petrópolis tem pelo menos cinco mortos em novo temporal

As chuvas que voltaram a atingir Petrópolis, na região serrana fluminense, nesse domingo (20/3) deixou pelo menos cinco mortos. Uma pessoa foi resgatada com vida pelo Corpo de Bombeiros. Segundo a Defesa Civil Municipal, até o início da madrugada de hoje (21/3), haviam sido registradas 95 ocorrências, a maior parte deslizamentos.

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

O temporal caiu sobre a cidade mais de um mês depois da tragédia que deixou 233 mortos e quatro desaparecidos, em 15 de fevereiro deste ano. O local com maior índice de chuva até o início da madrugada de hoje havia sido São Sebastião, onde caíram 415 milímetros de precipitação.


Ainda segundo a Defesa Civil Municipal, mais de 400 pessoas tiveram que sair de suas casas e se deslocar para pontos de apoio nas localidades de Morin, Quitandinha, Amazonas, Vila Felipe, Sargento Boening, São Sebastião, Dr. Thouzet, Alto da Serra, Floresta, Independências e Siméria.


“Foi um dia difícil, principalmente depois das 15h, quando Petrópolis foi novamente vítima de grande chuva. Foram mais de 300 milímetros que atingiram a cidade”, disse o prefeito Rubens Bomtempo, em vídeo publicado em sua rede social nos primeiros minutos de hoje.

Centro da cidade de Petrópolis / Reprodução Redes Sociais

Desaparecidos


A Defesa Civil de Petrópolis faz buscas, na manhã desta segunda-feira (21/3), por desaparecidos em duas localidades da cidade. Embora hoje com menos intensidade, a chuva ainda não parou na região serrana do Rio de Janeiro, o que torna mais difícil o trabalho.


O secretário municipal de Defesa Civil, tenente-coronel Gil Kempers, disse que as equipes estão trabalhando no Valparaíso e na Washington Luiz, mas ainda não há informações de quantas pessoas estariam desaparecidas e se há vítimas fatais nesses locais.


“A gente não tem como precisar. As buscas estão em andamento e a gente não tem como saber se são óbitos ou não”, contou à reportagem, acrescentando que as cinco mortes registradas, até o momento, foram no Morro da Oficina, na Washington Luiz e no Centro.


O secretário informou que, novamente, a região mais atingida é a do 1º Distrito, que inclui as áreas do Morro da Oficina e da 24 de maio. Nas últimas 24 horas foram registrados 524 milímetros (mm) de chuva, mais do que durante o temporal do dia 15 de fevereiro, que causou 233 mortes.


“Exatamente o 1º Distrito e o volume de chuvas foi até maior que da outra vez, a gente já está com 524 mm nas últimas 24 horas. A gente tem alguns registros de ocorrências com vítimas. No momento, as equipes do Corpo de Bombeiros trabalham nos locais para fazer o resgate das vítimas", disse Kempers.


O secretário informou ainda que a Defesa Civil acionou as sirenes ontem por volta das 14h20, e que os pontos de apoio aos moradores da cidade estão abertos, com várias pessoas trabalhando no apoio.


Todas as áreas de risco geológico são alvo de preocupação da Defesa Civil. “As sirenes continuam acionadas e a gente pede à população que fique atenta a qualquer indicativo de escorregamento”, disse o tenente-coronel.


Na região da Rua Teresa, também muito atingida no temporal do mês passado, a chuva de ontem causou estragos e escorregamento na 24 de Maio, mas segundo Kempers não há registro de vítimas porque ontem a área tinha sido evacuada.


Veja os vídeos:


Previsão


Com a previsão de que a chuva permaneça até o começo da noite de hoje, a recomendação à população é para evitar transitar pela cidade.


“Uma dica para moradores é verificar, agora pela manhã, em uma condição de melhor visibilidade, se tem alguma trinca na casa, se a porta está fechando direito, se tem um poste tombado próximo a sua casa, um muro tombado. Esses são indicativos, em um primeiro momento, de que o solo está trabalhando e pode ter um escorregamento secundário. Então, a gente pede à população que, se observar este tipo de informação, este tipo de movimentação de massa, que se desloque imediatamente a um ponto de apoio”, recomendou.

Bairro Mosela / Reprodução Redes Sociais

Trânsito


A operação dos ônibus das empresas Cidade Real, Petro Ita e Cascatinha foi totalmente suspensa por causa da interdição de vias da cidade por alagamentos, deslizamentos e queda de postes e de árvores. As linhas da Cidade das Hortênsias operam normalmente, com exceção das regiões da Ponte de Ferro, Bairro Esperança e Floresta que estão com as vias obstruídas.


Já as linhas da Turp estão com 85% da operação circulando na ligação dos distritos da Posse, Itaipava e regiões de Nogueira e Corrêas para o Centro. Alguns horários, no entanto, estão comprometidos porque alguns rodoviários não conseguiram chegar para trabalhar.


No momento estão interditadas as ruas 24 de Maio; Washington Luiz; Bingen, na altura da descida do Manoel Torres, e dos Expedicionários; as estradas da Saudade e da Independência; a subida do Sargento Boening; além de Conde D’Eu e Lopes Trovão no meio da Serra.


Vacinação


A campanha de vacinação contra a covid-19 foi suspensa hoje (21/3) pela Secretaria Municipal de Saúde. O motivo é que a mobilidade está comprometida em diversos pontos do município, o que impediu a abertura dos pontos de vacinação. Nesta segunda-feira, também estão suspensos os atendimentos e consultas no Centro de Saúde Coletiva, na Rua Santos Dumont, no Centro da Cidade.


Fonte: Agência Brasil

Toda Palavra_Banner_300x250_Celular.gif
1/3
NIT_728x90-03.gif
NIT_300x250-01.jpg